POLÍTICA
28/03/2016 20:25 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Peemedebista Henrique Eduardo Alves pede demissão do Ministério do Turismo

Globo via Getty Images
BRASILIA, BRAZIL - SEPTEMBER 05: (BRAZIL OUT) President of the Chamber of Deputies Henrique Eduardo Alves chairs a plenary session during the discussion of the MP 615 decree wich regulates mobile and electronic payments at the Chamber of Deputies on September 05, 2013 in Brasilia, Brazil. (Photo by Ailton de Freitas/Globo via Getty Images)

O ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, do PMDB, pediu demissão do cargo nesta segunda-feira, em mais um sinal de que o partido decidirá pelo desembarque da base aliada do governo da presidente Dilma Rousseff.

Alves disse à Reuters que a decisão foi tomada levando em conta a atual conjuntura do PMDB, que na terça-feira decidirá se vai deixar a aliança com o governo.

Em carta a Dilma, ele afirmou que o governo e o PMDB sabem que o diálogo "se exauriu".

LEIA A CARTA NA ÍNTEGRA

"O momento nacional coloca agora o PMDB, o meu partido há 46 anos, diante do desafio maior de escolher o seu caminho, sob a presidência do meu companheiro de tantas lutas, Michel Temer", disse ele na carta, sobre o vice-presidente da República.

"Todos - o governo que assumi e o PMDB que sou - sabem que sempre prezei o diálogo permanente. Diálogo este que - lamento admitir - exauriu", completou.

Temer, que é presidente do PMDB, disse ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que o desembarque do partido do governo é "irreversível", segundo uma fonte ligada ao vice, que também afirmou nesta segunda-feira que a decisão pelo rompimento será tomada por aclamação em reunião do diretório da legenda.

Na carta, Henrique Eduardo Alves agradeceu a presidente pela confiança durante os 11 meses no cargo e disse acreditar que ela, "alguém que preza acima de tudo a coerência ideológica e a lealdade ao seu próprio partido, entenderá a minha decisão".

LEIA MAIS:

- Moro encaminha ao STF processo com a planilha da Odebrecht

- Grupos contra e a favor do impeachment fazem protesto no Salão Verde da Câmara

- O que o 'presidencialismo da corrupção' nos diz sobre coalizão e fracassos na democracia brasileira