NOTÍCIAS
16/03/2016 17:23 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Dilma diz que Lula terá ‘poderes necessários', mas nega mudanças na economia

Fabio Rodrigues Pozzebom /Agência Brasil

A presidente Dilma Rousseff cravou, em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (16), que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá "poderes necessários” na Casa Civil para se comprometer com a estabilidade fiscal, controle da inflação e retomada do crescimento da economia.

“Tem seis anos que a imprensa tenta me separar do Lula, a minha relação com Lula não é uma relação de poderes ou superpoderes, a minha relação com Lula é uma sólida, relação de quem construiu um projeto junto. O presidente Lula no meu governo terá poderes necessários para me ajudar, para ajudar o Brasil, tudo que ele puder fazer para ajudar o Brasil será feito."

Embora aliados do ex-presidente tenham afirmado que ele demorou para fazer a decisão porque queria mudanças na economia, Dilma negou que, mesmo com Lula, fará qualquer alteração na composição do núcleo econômico do governo. Nas palavras dela, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, e o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, “estão mais dentro” do governo.

Ela também refutou a tese que mudança na política relacionada as reservas cambiais. “As especulações que existem com relação a esse fato são isso, especulações. Elas só beneficiam poucos que lucram com ela e tentam criar essa situação. (…) Nós construímos essas reservas a duras penas.”

Decisão

Segundo Dilma, Lula teve dúvidas para assumir o cargo por causa do confronto com a oposição. “Essas dúvidas foram integralmente superadas e nós já ontem tínhamos a decisão, mas aprofundamos hoje porque precisávamos tratar de assuntos mais práticos”, explicou.

Quanto ao foro privilegiado, Dilma refutou a tese de que o ex-presidente estaria indo para o governo para se livrar da Justiça e disse que a oposição levanta desconfiança sobre o judiciário brasileiro.

“Por trás dessa afirmação tem uma suspeita sobre o Supremo Tribunal Federal. O STF não é uma Justiça onde pode punir, que pode investigar, que pode absolver? É a Suprema Corte do País, não significa que ele não será investigado. (…) Me desculpem, mas acho que essa hipótese é apenas uma sombrinha, uma proteção ao fato de que a vinda do Lula para o meu governo fortalece o governo."

Ela voltou a criticar a ação do Ministério Público e da Polícia Federal quanto ao andamento da investigação sobre o triplex e o sítio que supostamente pertencem ao ex-presidente. Para a mandatária, os critérios são estranhos.

LEIA TAMBÉM:

- Petição na internet pede afastamento do ex-presidente do governo

- Oposição vai à Justiça para impedir a posse de Lula na Casa Civil

- Lula é o novo ministro da Casa Civil do governo Dilma

- O início do terceiro mandato de Lula e a queda de Dilma

- Não é elite. Não são coxinhas. As ruas é que querem a saída de Dilma