ENTRETENIMENTO
14/03/2016 19:26 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

'Xena' sai do armário: Protagonistas serão abertamente lésbicas em refilmagem da série

Divulgação/IMDB

Xena, a Princesa Guerreira, série derivada de Hércules, fez sucesso na TV no final da década de 90 e início dos anos 2000 por conta de sua personagem-título de passado sombrio e fortes traços feministas.

Mas não só por isso.

Havia um subtexto na atração que sugeria uma relação amorosa entre Xena e sua fiel companheira de batalha, Gabrielle.

Ao que tudo indica, essa relação será agora bem mais explícita.

Em agosto passado, o canal norte-americano NBC aprovou a produção do piloto de uma refilmagem da série. Javier Grillo-Marxuach, um dos criadores de The 100 e produtor das séries Lost e Charmed, será o roteirista responsável pela trama.

Em uma recente rodada de perguntas de fãs em seu Tumblr, Grillo-Marxuach falou sobre o projeto e deixou claro que a questão da homossexualidade da personagem será abordada de uma nova forma:

Não há razão para trazer Xena de volta se não for para explorar por completo um relacionamento que só podia ser mostrado no subtexto na primeira série, nos anos 1990. O seriado também vai expressar meu ponto de vista – e não é muito difícil saber como ele é se você pesquisar um pouco.

Em entrevista ao site Cnet, ele também esclareceu que vai respeitar a atmosfera de fantasia e diversão da trama original:

“Vou dizer quais palavras você não vai me ouvir dizer: tenebroso. Linha-dura. Lúgubre. Deprimente. Eu quero fazer algo que tenha frescor e novidade, mas que também seja respeitoso e remeta à sensação de diversão e aventura que era tão perfeita no original.”

De acordo com a revista The Hollywood Reporter, as atrizes Lucy Lawless e Renée O'Connor (Xena e Gabrielle, respectivamente) não devem participar da regravação da série.

A nova versão de Xena, a Princesa Guerreira deve estrear ainda este ano.

LEIA MAIS:

- 'Gaycation': Ellen Page confronta Bolsonaro e questiona seu discurso homofóbico (VÍDEO)

- Conservadores na Europa usam foto de casal gay com filho para campanhas homofóbicas