NOTÍCIAS
11/03/2016 16:01 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:40 -02

Sobe para 18 o número de mortos após chuvas fortes em São Paulo

Foto: Paulo Pinto/ Fotos Públicas

O período de chuvas é sempre preocupante e desta vez não foi diferente. Entre a noite de quinta (10) e a manhã desta sexta-feira (11) uma forte chuva atingiu todo o estado de São Paulo causando caos e tragédia em pelo menos 30 cidades.

Deslizamentos de terras, trânsito intenso, aeroportos fechados, trens parados, rodovias interditadas, alagamentos críticos em diversos pontos das cidades e mais mortes foram algumas das consequências desastrosas das chuvas, que corresponderam a 40% do esperado para o mês de março na cidade de São Paulo, de acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências da Prefeitura.

São ao menos 18 mortes confirmadas. Em Itatiba, os bombeiros encontraram dois corpos, na região de Campinas. Na Grande São Paulo, dez pessoas foram vítimas de soterramento na cidade de Francisco Morato e outras quatro em Mairiporã. Duas morreram afogadas: uma em Guarulhos e outra em Cajamar. Os bombeiros ainda não divulgaram o número de desaparecidos.

O Facebook disponibilizou a ferramenta de confirmação de status de segurança para as situações de alagamento no estado. Você pode encontrar e avisar aos seus amigos sobre as áreas afetadas.

Ceagesp

A Ceagesp informou que houve alagamentos em pontos do Entreposto Terminal de São Paulo e algumas áreas foram interditadas, atrapalhando a distribuição dos alimentos.A situação, porém, já está normalizada e não há registro de vítimas, segundo a companhia. Antes das 9h, as entradas pelos portões 3, 13 e 14 foram reabertas ao acesso dos veículos para as atividades normais do mercado.

Sabesp

A empresa paulista de saneamento (Sabesp) abriu as comportas da represa Paiva Castro, em Mairiporã, devido a grande quantidade de água decorrente das chuvas da última noite. A decisão foi tomada para que a barragem não se rompesse -- o que teria efeito ainda pior sobre as enchentes nas cidades de Francisco Morato e Caieras.

Rios transbordaram

Os rios Tiête e Pinheiros transbordaram durante a madrugada -- a última vez que isso tinha acontecido foi há 11 anos. De acordo com a prefeitura houve transbordamento nos pontos próximos a Ponte Presidente Dutra, Ponte do Limão, Barragem Móvel e Ponte da Cidade Universitária.

Trânsito

A manhã desta sexta-feira teve o maior pico de tráfego registrado no ano, com 177km de congestionamento.

Os trens também operam com dificuldades devido aos alagamentos nas vias da CPTM. As linhas 7-Rubi e 8-Diamante circulam com lentidão e maior espaçamento entre os intervalos.

Rodovias

A situação mais crítica é na rodovia SP- 332, que liga a Grande São Paulo ao interior, que está parcialmente interditada nos dois sentidos devido ao deslizamento de 6 barreiras. A rodovia Anchieta também teve lentidão e congestionamento. A presidente Dutra teve o trânsito interrompido devido a queda de barreira na via expressa, no sentido Rio de Janeiro.

Aeroportos

O aeroporto internacional, em Guarulhos, ficou fechado para pousos e decolagens das 23h50 até as 6h06. houve alagamentos de parte da subestação de energia do local, o que causou falta de luz em parte das pistas. O prédio principal e os saguões não foram afetados. Pelo menos 35 voos foram remanejados entre o período de 00h ás 8h para outros aeroportos e outros seis foram cancelados, informou o terminal.

Já em Congonhas, na zona sul de São Paulo, o funcionamento não foi afetado pelas chuvas.

Previsão

O Centro de Gerenciamento de Emergênciasafirmou que não há mais pontos de alagamentos intransitáveis em São Paulo. Ainda, disse que a chuva forte segue agora em direção ao Rio de Janeiro. A previsão do tempo, segundo o órgão, é de chuviscos ao longo do dia em toda a capital paulista, mas nada semelhante ao temporal desta quinta-feira.

Para o fim de semana na capital, a previsão é de tempo nublado com pancadas de chuva.

LEIA MAIS:

- Queda de barreira e alagamento fecham rodovias que levam ao litoral de SP

- Chuva paralisa trens e coloca metade de SP em estado de atenção; queda de árvore mata um