LGBT
18/02/2016 16:40 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:32 -02

Após perder contrato com a Nike, Pacquiao reafirma posição contra casamento gay

pacquiao

Por incrível que possa parecer, Manny Pacquiao não está acabado. Jogado às cordas pela patrocinadora, a Nike, o pugilista filipino continua extremamente popular.

E não parece estar arrependido. Nesta quinta, ele chegou a dizer que sentiu-se "aliviado porque muitas pessoas ficaram alarmadas com a verdade" (sobre os ataques ao casamento entre pessoas do mesmo sexo). Ele também não se abalou nenhum um pouco com o final do acordo com a Nike: "Qualquer que seja decisão, eu respeito. Nosso contrato já havia acabado... eles me apoiavam apenas com o boxe".

Até aqui, o caminho parece livre para que ele consiga uma vaga no Senado das Filipinas nas eleições gerais de 9 de maio.

Lembrando: Pacquiao comparou os gays à animais. A Nike rapidamente agiu e repreendeu seu ex-contratado, classificando as ofensas como "detestáveis". O contrato foi rompido imediatamente.

pacquiao philippines

O país asiático, considerado conservador e de maioria absoluta católica - cerca de 80% dos 100 milhões de habitantes -, pode dar ao lutador uma das 12 cadeiras no Senado.

Benito Lim, professor de ciência política da Universidade Ateneo de Manila, ouvido pela Reuters, diz:

"Pacquiao ofendeu claramente a comunidade de gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros com seus comentários sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas este grupo representa uma minoria, e isso não irá afetar a popularidade do boxeador entre os eleitores".      

"Ele ainda pode vencer as eleições", confirma, o professor.

O que pode então derrubar a popularidade do extremamente habilidoso lutador de 37 anos? Uma derrota frente Timothy Bradley, em abril.

LEIA TAMBÉM:

- Após ofensas homofóbicas, Manny Pacquiao perde contrato milionário com a Nike

- Nocaute na razão: Boxeador diz que gays 'são piores que animais'

- Golaço! Adidas se compromete a proteger os direitos de seus atletas LGBT

- Por chamar rival de 'bicha', técnico italiano pode ficar fora do futebol por 4 meses

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: