ENTRETENIMENTO
17/02/2016 15:43 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:32 -02

Claudia Leitte poderá captar R$ 356 mil para produção de biografia por meio da Lei Rouanet

ASSOCIATED PRESS
Brazilian singer Claudia Leitte speaks during a press conference one day before the World Cup opening ceremony in Sao Paulo, Brazil, Wednesday, June 11, 2014. Leitte will perform with Pitbull and Jennifer Lopez at the opening ceremony on Thursday. (AP Photo/Felipe Dana)

R$ 356 mil. Este é o valor que o Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet, autorizou a empresa Ciel, de Claudia Leitte, a captar junto a empresas privadas para a produção de uma biografia sobre a cantora. O anúncio foi publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (17).

Entrevista exclusiva com a cantora, letras e partituras de suas músicas mais famosas, fotografias inéditas e análises de Leitte sobre música nacional e internacional serão o conteúdo do livro.

Escrito pela jornalista Juliana Gonzalez, ele terá edição bilíngue (português e inglês) e será distribuído gratuitamente.

A tiragem da obra, de cunho jornalístico, será de dois mil exemplares – 900 deles irão para bibliotecas, imprensa e patrocinadores. O Gazeta do Povo fez a conta: o investimento em cada cópia será de R$ 177,50.

O pedido inicial da Ciel, reprovado pelo MinC, foi de meio milhão de reais.

"A obra gera impacto cultural positivo", diz o texto do Diário – você pode ler mais trechos dele na coluna de Lauro Jardim, no Globo.

A estimativa é de que a biografia seja lida por, no mínimo, 20 mil pessoas, e cada exemplar, lido por dez pessoas. O lançamento será em São Paulo, onde serão esperados 500 convidados.

A autorização foi realizada antes de entrar em vigor a proibição do uso da Lei Rouanet em projetos com fins lucrativos, determinada pelo Tribunal de Contas da União.

ERRATA: Ao contrário do que afirmava o texto em sua primeira versão, a Lei Rouanet não repassa recursos do Ministério da Cultura a artistas e, sim, autoriza a captação de dinheiro junto a empresas privadas e pessoas físicas com posterior dedução de impostos devidos. A informação já foi corrigida.

LEIA MAIS:

- 92% dos estudantes universitários preferem o livro impresso ao digital, diz pesquisa

- Os 20 livros que as pessoas mais fingem ter lido

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: