NOTÍCIAS
09/02/2016 13:33 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Mortes em massa em prisões na Síria são crime de 'extermínio', diz ONU

Abdalrhman Ismail/Reuters

Presos mantidos pelo governo da Síria estão morrendo em grande escala devido à política estatal de "extermínio" da população civil, um crime contra a humanidade, disseram investigadores das Nações Unidas nesta segunda-feira (8).

A comissão de inquérito da ONU pediu que o Conselho de Segurança imponha "sanções direcionadas" a autoridades sírias na hierarquia civil e militar responsáveis ou coniventes com mortes, torturas e desaparecimentos sob custódia, mas não nomeou eventuais responsáveis.

No relatório, os especialistas independentes disseram que também documentaram execuções em massa e tortura de prisioneiros por dois grupos extremistas, Jabhat al-Nusra e Estado Islâmico, constituindo crimes de guerra. O relatório intitulado Fora da vista, fora da mente: mortes em detenção compreende o período entre 10 de março de 2011 e 30 de novembro de 2015.

O levantamento baseia-se em entrevistas com 621 sobreviventes e testemunhas, além de evidências coletadas por uma equipe liderada pelo diplomata brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro. "Nos últimos quatro anos e meio, milhares de presos foram mortos enquanto estavam sob custódia das partes em guerra", disse a comissão.

"As mortes e assassinatos descritos no relatório ocorreram com alta frequência, por um longo período de tempo e em diversas localidades, com significativo apoio logístico de recursos estatais", disse o relatório. "Há bases razoáveis para acreditar que a conduta descrita representa extermínio como crime contra a humanidade."

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- Crise na Síria: Brasil e outros países prometem US$ 11 bilhões em ajuda até 2020

- Síria: especialista da ONU alerta para civis em "circunstâncias desesperadoras"

- Em tom de ameaça, Estado Islâmico exibe o planejamento dos ataques em Paris