MULHERES

Após repercussão e mais críticas, bar Quitandinha pede desculpas por assédio e agressão contra mulheres na Vila Madalena

07/02/2016 10:56 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Shutterstock / imageegami e Reprodução Facebook

Em pouco mais de 48 horas, quase 100 mil curtidas. Foi o que aconteceu com a denúncia feita pela universitária Júlia Velo na sua página no Facebook, relatando uma denúncia de assédio e agressão sofrida por ela e uma amiga no bar Quitandinha, na noite de quinta-feira (4).

As duas foram alvo de dois rapazes inconsequentes e desrespeitosos, que acabaram inclusive sendo tratados amigavelmente pela direção do estabelecimento, tradicional ponto de encontro na Vila Madalena, na zona oeste de São Paulo.

O Carnaval começou com uma dose cavalar de silenciamento. Senta que lá vem textão. Ontem à noite, eu e meus amigos...

Publicado por Júlia Velo em Sexta, 5 de fevereiro de 2016


Na noite deste sábado (6), a direção do Quitandinha se pronunciou em sua página oficial no Facebook. Curiosamente, foram necessários TRÊS postagens para se chegar ao óbvio: um claro e nítido pedido de desculpas às vítimas, que tentaram buscar a ajuda da polícia, mas foram informadas que “nada podia ser feito”.

No primeiro post, o bar diz estranhar “o fato da pessoa que conta a história não querer assistência como foi dada no momento, estranha a pessoa não querer denunciar o agressor e sim, apenas falar do bar”. O tom crítico, na tentativa de desacreditar a denúncia, continua:

“O bar existe há 25 anos, nunca teve esse tipo de situação, nunca houve uma ocorrência como esta, o bar é frequentado por 70% de mulheres, sendo que nunca houve essa reclamação durante todo esse tempo (...). O bar está à disposição para a verdade, será encaminhado tudo ao jurídico para tomar as devidas providências e mostrar a verdade dos fatos, esses que terão que ser provados, caso contrário, será movido um processo por difamação e calúnia contra o estabelecimento”.

O Bar Quitandinha vem por meio desta esclarecer e mostrar tamanha indignação sobre tal fato. O bar existe há 25 anos,...

Publicado por Quitandinha Bar em Sábado, 6 de fevereiro de 2016


Após uma nova avalanche de críticas, o bar tentou mais uma vez se explicar: “Parece que há algum engano na interpretação do texto, quando diz o bar não compactua com isso, não é com o fato relatado e sim com assédio ou qualquer discriminação contra alguém, o bar não compactua com qualquer assédio contra as mulheres, grato pelo compreensão!”.

Parece que há algum engano na interpretação do texto, quando diz o bar não compactua com isso, não é com o fato relatado...

Publicado por Quitandinha Bar em Sábado, 6 de fevereiro de 2016


Horas mais tardes, mais críticas ao tom de repúdio da direção do bar, e finalmente um pedido de desculpas. “Devido à gravidade e relevância da situação ocorrida, relatada por Julia Velo, a equipe do Bar Quitandinha pede desculpas se em algum momento demos a impressão de que estávamos transferindo alguma culpa ou acusando alguém”, escreveu a direção.

Ainda segundo o comunicado, tudo está sendo feito para que “seja esclarecido de maneira justa, transparente e eficaz! E para que o agressor seja devidamente punido”. Os responsáveis escreveram ainda que o Quitandinha tem 25 anos e é feito por pessoas “que erram e que acertam a cada dia”.

“Ainda trabalhamos para que as situações de assédio, violência, abuso, preconceito e/ou discriminação contra qualquer gênero, ocorram cada vez menos. Gostaríamos de ser justos! De qualquer forma, fica aqui o pedido de desculpas aos envolvidos”, finaliza a nota.

Boa noite, Devido à gravidade e relevância da situação ocorrida, relatada por Julia Velo, a equipe do Bar Quitandinha...

Publicado por Quitandinha Bar em Sábado, 6 de fevereiro de 2016


SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- Prefeitura de São João Del Rei (MG) apoia um Carnaval sem assédio sexual e violência contra a mulher

- Carnaval também é tempo de proteção às mulheres, como esta marchinha não te deixa esquecer (ÁUDIO)

- Conferência internacional de grupo pró-estupro é cancelada por falta de segurança

- ASSISTA: 'Não vemos o estuprador como um homem jovem, branco, rico'