NOTÍCIAS

Super Bowl 50: Carolina Panthers é a equipe que mais se orgulha em ser negra na história da NFL

06/02/2016 18:39 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

cam newton celebrate

A cultura de futebol americano é tal que a liga composta em sua maioria de jogadores negros, supostamente, precisava cumprir certos padrões criados e impostos por homens brancos. Idealmente, os jogadores teriam que agir como dominados em público, celebrando suas realizações discretamente e falando de forma a evitar os holofotes.

A equipe Carolina Panthers não fez nada disso nesta temporada. A caminho de um recorde na série regular, com 15 vitórias e uma derrota, e com sua primeira presença no Super Bowl desde 2004, a equipe tem se divertido e tem sido divertida de assistir.

Eles fazem barulho, falado alto, dançado e celebrado à vontade. Mas eles também fizeram algo bem importante ao longo desse caminho: os Panthers abraçam, demostram e transpiram aspectos de sua negritude de uma forma que poucas equipes predominantemente negras fizeram no passado.

Eles têm sido maravilhosamente obstinados e orgulhosamente negros.

cam newton celebrate

Essa poderosa demonstração de negritude começa com o líder da equipe, Cam Newton, que logo logo será o Jogador Mais Valioso (MVP, nas siglas em inglês) com a inteligência, o talento e o carisma para se tornar um dos quarterbacks mais únicos da história da NFL. 

Existiram outros quarterbacks negros antes de Newton, lendas como Warren Moon e Randall Cunningham. Mas qualquer um que preste atenção sabe que existe algo diferente em Newton, a começar por sua determinação em falar o que pensa. 

"Sou um quarterback afro-americano", disse Newton recentemente. "Isso pode assustar algumas pessoas. Pois minhas habilidades não são como a dos outros".

Howard Bryant da ESPN disse ao The Huffington Post que ele acredita que Newton se destaca de outros quarterbacks negros do passado porque ele não se adapta as noções preconcebidas de como um quarterback negro deveria agir.

"Quando eu penso em cada quarterback negro que existe por aí, cada um deles parece ter tido que ganhar a aprovação do público", disse Bryant pelo telefone. "Eles tinham que ganhar a aprovação de seus treinadores, eles tinham que ganhar a aprovação de sua liga e dizer 'Viu? Eu sou legítimo.'"

Mas Newton fez algo diferente este ano. 

"Cam disse, ‘Foda-se. Você lida comigo. Eu não quero sabe o que você pensa, eu sou legítimo. Não tenho que provar nada a ninguém'", disse Bryant. 

carolina panthers touchdown

Durante todo o ano, Newton enfrentou críticas por não sentir culpa de ser assim e por não entrar na linha e fazer o que as pessoas queriam que ele fizesse. Uma mãe do Tennessee reclamou sobre a forma que ele celebrou o touchdown em um editorial. O ex-linebacker do Chicago Bears, Brian Urlacher, disparou dissimuladamente semana passada ao dizer que os fãs "não viram ele [Peyton Manning] dançando" (que conste que Manning disse recentemente que ele celebraria se pudesse marcar um touchdown).

Mas o quarterback do Panthers decidiu que ele não esconderia seu carisma no campo ou fora dele para se encaixar no molde de quaterbacks negros do passado. O jogador de 26 anos decidiu que ninguém iria ditar a sua felicidade nem como ele expressava essa alegria depois de ganhar um first down ou um touchdown.

É claro que Cam Newton não é "mais negro" que os outros quarterbacks negros, do passado ou da atualidade. Mas sua relutância em obedecer ao domínio e estereótipo cortês do passado é um passo importante para uma auto-expressão aceitável.

Na terça, Newton teve pouco interesse em engajar no tema de estereótipos de quaterbacks negros. "Nós nos limitamos quando nos rotulamos negros ou isso ou aquilo", disse ele. Mas Newton disse também que ele espera usar sua influência como um atleta estrela para quebrar esses estereótipos, permitindo que as pessoas vivam sem serem categorizadas.

"É mais do que a raça", disse Newton. "Trata-se de abrir portas para os caras que não querem ser rotulados".

No passado existiram muitos, muitos outros, jogadores negros de futebol americano sinceros e extremamente inteligentes. Qualquer um que já ouviu falar de Jim Brown e Richard Sherman sabe disso. Mas o que faz dos Panthers uma equipe diferente é que eles se unem na forma em que eles celebram publicamente a sua negritude. Quer dizer, eles são eles mesmos e não se conformam à expectativa de quem deveriam ser.

Muito crédito deve ser dado para o treinador dos Panthers, Ron Rivera, por empoderar os jogadores a serem quem são. O único técnico latino na liga, Rivera sabe o que significa se destacar. Mas em vez de tentar regular esses jogadores, ele criou um ambiente que faz com que jogadores como Newton e o cornerback Josh Norman possam se expressar totalmente.

"Mantenham a sua personalidade", disse ele ao time.

Rivera viu melhorias na performance da equipe desde que ele deu total liberdade para os jogadores serem quem são. Não foi sempre assim. Rivera admitiu que no ano passado, em certo momento, ele tentou fazer com que Norman, em especial, "entrasse demais na linha".

"Ele perdeu essa personalidade e bravura de ser como ele é", disse ele. 

Quando Rivera eventualmente deixou Norman ser Norman, ele começou sua ascensão, tornando-se um dos principais corners da liga. "Eles me deixaram", disse Norman. "Eles me deixaram livre e foi assim que tudo começou ".

Hoje em dia, o entusiasmo e o carisma de Norman é visível regularmente, como foi ao ser entrevistado por Ed Werder, da ESPN, depois do Campeonato NFC. Se isso ocasionalmente acaba irritando o time oposto, para Rivera não é problema.

"Existe um excelente ditado que diz: Respeite o seu oponente, mas acredite em você mesmo", disse Rivera à ESPN. "Se você começa a se preocupar demais com esse lado das coisas [respeitar o seu oponente] e fazer as coisas do jeito mais certo, você perde aquela pequena vantagem". 

Richard Crepeau, professor da Universidade da Florida que se dedica à história do esporte americano, acredita que Rivera tenha conseguido aproveitar mais os seus jogadores exatamente porque ele está ciente da forma que os times da NFL têm tentado manter os seus jogadores na linha

"Ele sabe quais são as restrições e como os estabelecimentos atléticos buscam moldar as pessoas de forma meio que aceitável", disse Crepeau. "E, é claro, a NFL está entres as mais poderosas nesse sentido. Eles não são chamados de a 'Liga Sem Diversão' sem motivo".

Com sua aprovação pelo técnico chefe e com Cam Newton tomando a liderança, os Panthers decidiram não vão permitir que eles sejam moldados. Eles têm publicamente e com orgulho abraçado quem eles são como homens negros e também demostrado com orgulho sua negritude muitas vezes. 

No domingo, os Panthers têm a chance de fazer algo histórico. Se eles ganharem o Super Bowl serão o terceiro time a ir de 18 vitórias e uma derrota até o final. Mas não importa qual for o resultado, eles já fizeram história pois nenhum time tem sido tão orgulhosamente negro como o Carolina Panthers de 2015.

(Tradução: Simone Palma)

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM:

- Sem time para torcer na NFL? Que tal uma equipe com líder negro e técnico latino?

- O melhor jogador da NFL vai bancar o Dia de Ação de Graças para 900 crianças

- Vai rolar um show épico Coldplay ┿ Beyoncé na grande final do futebol americano

- Americanos vão devorar 1,3 bilhão de asinhas de frango durante o Super Bowl