NOTÍCIAS

Primeiro contágio do Zika é relatado nos EUA; transmissão sexual é citada

03/02/2016 10:07 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Bloomberg via Getty Images
The Aedes Aegypti mosquito, responsible for the spread of the Zika virus, is seen during testing in the epidemiology lab at the Roosevelt Hospital in Guatemala City, Guatemala, on Monday, Feb. 1, 2016. The Zika virus is spreading explosively in Latin America along with a spike in cases of microcephaly, a birth defect that causes babies to be born with abnormally small heads. Photographer: Saul Martinez/Bloomberg via Getty Images

Os Estados Unidos confirmaram ontem (2) que o vírus Zika se transmite sexualmente, aumentando o temor de uma propagação rápida da doença, suspeita de causar malformações no cérebro de fetos.

O vírus Zika é transmitido aos seres humanos pela picada de mosquitos da espécie Aedes aegypti infectados e está associado a complicações neurológicas e malformações em fetos.

Por causa da epidemia, os ministros da Saúde do Mercosul, mercado comum do continente sul-americano, o mais afetado pelo vírus, vão reunir-se na quarta-feira (3) para avaliar a situação epidemiológica em relação a doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, também responsável pela transmissão da dengue e do chikungunya.

A Cruz Vermelha apelou para que sejam feitos donativos para a luta contra a epidemia de Zika, que pode ser potencialmente perigosa para mulheres grávidas. Até agora, foram detetados casos de infeção com vírus Zika na América Latina, África e Ásia.

“A única maneira de impedir o vírus Zika é controlar os mosquitos ou parar completamente o seu contato com os seres humanos, acompanhando esta ação para reduzir a pobreza”, informou, em comunicado, a Cruz Vermelha.

Campanha nos EUA

Depois de confirmar a ocorrência, no estado do Texas, de um caso de paciente infectado pelo vírus Zika transmitido por relação sexual, as autoridades norte-americanas de saúde anunciaram que vão adotar novas medidas para evitar novos casos. Já anteciparam que o uso de preservativos para homens será uma das recomendações a serem adotadas.

Os Serviços Humano e de Saúde do condado de Dallas receberam a confirmação do caso em Dallas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

Uma autoridade de saúde do condado de Dallas afirmou via Twitter que o caso foi transmitido por contato sexual com alguém que havia viajado para a Venezuela. A pessoa infectada não havia viajado para o país sul-americano, disseram autoridades.

A OMS diz que o vírus, ligado a deficiências graves em recém-nascidos no Brasil, está se espalhando rapidamente nas Américas e poderia infectar 4 milhões de pessoas. A organização afirmou ter lançado uma unidade de resposta global para lutar contra o vírus transmitido por mosquito. A Ásia e a África também são vistas como vulneráveis.

O vírus tem sido ligado à microcefalia, doença na qual crianças nascem com cabeças menores do que o normal e problemas no cérebro.

"Mais importante, precisamos montar locais de observação em países de média e baixa rendas para que nós possamos detectar qualquer mudança nos padrões relatados de microcefalia num estágio inicial”, afirmou Anthony Costello, diretor da OMS para saúde materna e infantil.

O Brasil, país mais atingido pela epidemia, com 1,5 milhões de casos, segundo a OMS, desaconselhou as mulheres grávidas a viajarem para aquele país.

(Com informações da Reuters e Agência Brasil)

LEIA MAIS:

- OMS declara o zika vírus uma 'emergência de saúde global'

- Zika vírus: 'As vítimas com maior dano são mulheres, pobres e nordestinas', revela pesquisadora

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: