NOTÍCIAS

STJ abre inquérito para apurar suposto envolvimento do governador tucano Beto Richa em esquema de corrupção

02/02/2016 09:25 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
PSDB

O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), é investigado em um inquérito aberto no último dia 21 de janeiro pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). O tucano foi mencionado durante as investigações da Operação Publicano, que aponta um esquema de corrupção na Receita Estadual.

O nome de Richa foi mencionado pelo auditor fiscal Luiz Antônio de Souza, principal delator da operação no Paraná. Segundo ele, recursos desviados por meio de propina teriam sido desviados para a campanha que reelegeu o governador em 2014. Se as investigações da PGR apontarem indícios de envolvimento do tucano, ele pode ser denunciado e virar réu.

O colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, informou que o relator do caso no STJ é o ministro João Otávio de Noronha.

Segundo informações do jornal Gazeta do Povo, sete delegacias regionais do Estado arrecadaram R$ 4,3 milhões, dinheiro todo repassado à campanha de reeleição de Richa. Todo o esquema seria comandado, de acordo com o delator, pelo auditor fiscal Márcio de Albuquerque Lima, que chegou a ser companheiro do governador em provas automobilísticas.

As ordens seriam ainda coordenadas por Luiz Abi Antoun, parente de Richa – o qual se referiu a ele como “um primo distante”. Tanto o governador do Paraná quanto o PSDB estadual já negaram qualquer irregularidade na campanha de 2014 ou envolvimento no esquema de corrupção.

Em outra frente, a PGR analisa a possibilidade de investigar Richa por suposto envolvimento no esquema de corrupção detectado na Secretaria Estadual de Educação. O irmão da vice-governadora Cida Borghetti foi preso e o nome de um secretário estadual, irmão de Richa, foi mencionado durante as investigações.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- Preso no PR o cunhado de deputado que votou a favor de Cunha no Conselho de Ética

- Governador Beto Richa é notificado em processo que investiga agressão a professores no PR

- Acusado de violência doméstica no PR, suplente pode assumir vaga na Câmara em 2016

- De Aécio a Eduardo Jorge: Por que o senador Álvaro Dias trocou PSDB por PV