NOTÍCIAS
01/02/2016 12:32 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Presidente de sindicato de taxistas de SP é investigado após ataques e ameaças a motoristas do Uber

Reprodução Facebook e Paulo Pinto/Fotos Públicas

O presidente do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores de Empresas de Táxi de São Paulo (Sintetaxis), Antonio Raimundo Matias dos Santos, conhecido como Ceará, é investigado pela Polícia Civil de São Paulo. A informação foi prestada pela Secretaria de Segurança Pública (SSP). Ele deverá depor nesta semana, de acordo com a pasta.

O inquérito contra Matias vai apurar o “eventual delito de incitação à pratica de crime”. Na última quinta-feira (28), motoristas do aplicativo Uber foram alvos de ataques em frente ao hotel Unique, nos Jardins, onde acontecia o baile de carnaval da revista Vogue. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, taxistas intimidavam quem tentava embarcar em veículos pretos. Pelo menos um carro foi depredado.

“As pessoas que participaram das agressões à motoristas de veículos pretos e depredações na última quinta-feira (28), estão sendo identificadas pelas fotografias que registraram a ocorrência e serão chamadas para depor no 15º Distrito Policial”, diz a nota da SSP.

Logo após o episódio das agressões, Matias postou um vídeo no Facebook no qual ‘alerta’ o prefeito da cidade, Fernando Haddad (PT), que ele não está cumprindo o acordo com os taxistas, que “a palhaçada acabou” e “agora é no cacete”.

“Acabou a moleza prefeito Haddad. Chega de palhaçada nessa cidade. Agora é cacete. Ou regulamenta os aplicativos certos para trabalhar com táxi ou vão trabalhar fora dessa cidade”, afirmou Matias no vídeo.

Os ânimos estão acalorados com a nova declaração do prefeito Fernando Haddad, a Simtetaxi mostrou repúdio e o presidente Antônio Matias mandou seu recado...

Publicado por Táxi em São Paulo em Quinta, 28 de janeiro de 2016


Matias é o mesmo que, em junho do ano passado em audiência na Câmara dos Deputados, afirmou que “vai ter morte” caso os parlamentares não regulamentem o funcionamento do Uber no País. “Eu quero dizer aos nobres deputados para que tomem providências porque, se não tomarem, não temos como conter a categoria”, disse ele na ocasião.

Outro a mandar recados a Haddad foi o vereador Adilson Amadeu (PTB), autor da lei que pediu a proibição do Uber na capital paulista. “O senhor prefeito, que deu uma declaração que vai regularizar o Uber, o senhor é doido. Um doente mental se fizer isso, o senhor não sabe com quem está mexendo”, avisou ele.

VEREADOR ADILSON AMADEU MANDA RECADO PARA O DIRETOR DO DTP/SP E PREFEITO HADDAD DURANTE EVENTO NO HOTEL UNIQUE 28/01/2016, ONDE HOUVE DENÚNCIA PREMEDITADA E NADA FOI FEITO PELAS AUTORIDADES PARA COIBIR A ATUAÇÃO DOS CLANDESTINOS.

Publicado por Táxi em São Paulo em Sexta, 29 de janeiro de 2016


SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- Taxistas: Nunca, de maneira alguma, tentem ganhar um argumento na porrada

- A guerra das caronas em São Paulo

- Deputado de SP quer organizar frente nacional contra a Uber

- Cade conclui: Chegada do Uber NÃO diminuiu uso de táxis no Brasil