MULHERES
28/01/2016 12:20 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Uma aula sobre a nefasta violência sexual contra alunas nas universidades, por uma professora da USP (VÍDEO)

Quase 3 milhões de universitárias já sofreram algum tipo de violência de gênero no Brasil. Um total de 1,6 milhão de estudantes deixaram de fazer atividades em suas universidades por medo de ser vítima de violência. Não, a violência dentro do ambiente acadêmico está longe de ser um ‘fato isolado’, como uma CPI realizada na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), há quase um ano, demonstrou com dados e depoimentos.

Professora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Ana Flávia d’Oliveira não estava preparada para ouvir o que ouviu durante uma das audiências realizada na Alesp. A direção da USP tentou impedir os trabalhos da CPI, que em sua conclusão apontou que a instituição pode ter tido 112 estupros nos últimos dez anos, um número assustador.

“Qual não foi a minha surpresa, trabalhando há 21 anos com isso, quando no ano passado fui surpreendida por casos graves de estupro, cometidos dentro da minha faculdade, cometidos pelos meus alunos contra as minhas alunas, e eu não sabia”, explicou a docente, durante o fórum Fale sem Medo, realizado pelo Instituto Avon em dezembro passado.

Foi nesse evento que a pesquisa Violência contra a mulher no ambiente universitário, feita pelo Instituto Data Popular, foi divulgada. O levantamento foi realizado entre os meses de setembro de outubro de 2015, junto a 1,8 mil estudantes de graduação e pós-graduação em universidades de todo o Brasil, a maioria com idades entre 25 a 35 anos.

Aqui algumas conclusões da pesquisa:

-> 1,6 milhão de mulheres já deixaram de fazer algo na universidade por medo de sofrer violência;

-> 1,2 milhão já sofreram violência sexual;

-> 2,4 milhões já sofreram assédio sexual;

-> 2,3 milhões já sofreram agressão moral ou psicológica;

-> 2,1 milhões já sofreram desqualificação intelectual;

-> 830 mil já sofreram coerção;

-> 437 mil já sofreram violência física;

-> 42% das universitárias sentem medo de sofrer violência no ambiente universitário;

-> 56% das estudantes de universidades já sofreram algum tipo de violência;

-> 38% dos alunos homens admitem ter praticado algum tipo de violência contra as mulheres.

Ana Flávia d’Oliveira falou por 10 minutos às presentes, uma maioria ampla de mulheres presentes na plateia. Para a professora da USP, as universidades estão falhando em formar pessoas que “têm responsabilidade perante a sociedade”. Mais do que isso: a quantidade e frequência de casos de abuso sexual contra universitárias expõe uma impressão equivocada da realidade brasileira.

“Nós ainda temos o mito de que o estuprador é um homem negro, pobre, na periferia, em um beco escuro. Nós não vemos o estuprador como um homem jovem, branco, rico, na graduação, graduado, pós-graduado. Nós temos recebidos relatos de orientadores de pós-graduação, de mestrado e de doutorado, alunas com bolsa Fapesp, sendo coagidas durante o seu percurso, e quem já passou por isso sabe o quão difícil isso é”.

O reitor da USP, Marco Antonio Zago, alegou aos deputados estaduais em 2014 que a violência registrada dentro da universidade é “reflexo da sociedade”. Para Ana Flávia d’Oliveira, posicionamentos como esse não podem ser aceitos como ‘desculpa’ para uma triste realidade de décadas – a docente ressalta que grupos de mulheres foram formados para dar acolhimento às vítimas, que têm de lidar com estatutos ultrapassados, “dos tempos da ditadura”, para ver os seus agressores punidos.

“É responsabilidade da universidade formar essas pessoas. Não é desculpa pra mim dizer que ‘a universidade é reflexo da sociedade’: ‘a sociedade é machista’, ‘homofóbica’, ‘a sociedade é racista, então a sociedade também é’. A universidade não pode ser, e se ela o é, então ela tem que se rever”, afirmou ela, arrancando aplausos do público presente, estimado em 500 pessoas.

Tão importante quanto a explanação da professora da USP foi o que disse, no mesmo evento, o educador, militante e teórico cultural americano Jackson Katz:

“Quando homens apoiam a não violência contra a mulher, somos ainda mais fortes (...). Eles também são vítimas da violência, e muitos deles não têm coragem de falar. Daí o papel da liderança dos empresários, atletas e políticos na disseminação de uma mensagem que coloque a mulher no centro de uma sociedade inovadora, multicultural e diversa sexualmente”.

Apesar das inúmeras denúncias feitas ao longo da CPI na Alesp, e envolvendo outras universidades além da USP, apenas um dos dez casos na FMUSP levados ao conhecimento dos parlamentares e do Ministério Público (MP-SP) transformou em réu um dos acusados de estupro. Em tempos de reinício de aulas em universidades de todo o País, a discussão diante de um problema tão grave é permanente.

“Não vamos nos calar”, sentenciou Ana Flávia d’Oliveira.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- Após quase 1 ano, só 1 de 10 estupros denunciados em CPI gerou punição em SP

- Novo caso de racismo causa revolta entre alunos da Universidade Mackenzie

- Transfobia: Estudantes da USP ironizam mudança de sexo de colega

- Morte de aluno que consumiu vodca gera apenas advertência da Unesp de Bauru (SP)

- Dona de trotes absurdos, Puccamp abre investigação por novo caso de racismo