ENTRETENIMENTO

Leitora voraz de 11 anos lança campanha para ajudar mais garotinhas negras a se sentirem representadas em livros

26/01/2016 16:39 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Reprodução

Nada como tomar uma atitude para mudar algo que você acha errado. Ainda mais quando o assunto é representatividade.

A leitora voraz Marley Dias, estudante de 11 anos em Nova Jersey, EUA, ficou frustada com a quantidade de livros sobre "garotos brancos e seus cachorros" no currículo escolar. Durante um jantar com a mãe, Janice, a garotinha fez a reclamação. A mãe respondeu perguntando o que ela faria para mudar isso.

Marley pensou em uma solução e a colocou na prática: ela decidiu ajudar a expandir o alcance de livros protagonizados por meninas negras.

O nome do projeto, que busca coletar mil livros, é #1000BlackGirlBooks ("mil livros com garotas negras", em português), e faz parte da iniciativa anual do acampamento para meninas negras GrassROOTS Community Foundation, na Filadélfia, para ajudar crianças que vivem na pobreza. Janice é cofundadora da organização.

E Marley realmente tem obtido resultado. Segundo o HuffPost US, ela já conseguiu quase 500 livros.

"Eu estava frustrada", disse na entrevista. "Na quinta série, eu não estava lendo [livros com] personagens com os quais eu pudesse me conectar."

Em 11 de fevereiro, ela viajará para St. Mary, cidade natal da mãe na Jamaica, para ser anfitriã de um festival literário e distribuir os livros coletados na campanha entre outras meninas e livrarias.

"Eu escrevo todo dia [em meu blog]", contou. Ela diz que seu lado criativo vem do pai, enquanto o filantrópico, da mãe. E, quando crescer, será editora de revistas e vai escrever um livro para garotinhas como ela.

Esta não é a primeira vez que Marley entra em ação para colaborar com pessoas em situação de necessidades. No ano passado, com a ajuda da campanha Disney Friends for Change, ela doou comida para crianças órfãs em Gana e ensinou outras meninas a trabalharem com seus talentos em um acampamento de empoderamento.

Aqui está o que Marley tem a dizer sobre representatividade:

"[É algo que] Realmente importa quando você lê um livro ou aprende algo, você sempre quer algo com o qual você possa se conectar. Se você tem algo em comum com os personagens, você sempre se lembrará e aprenderá a lição do livro".

Se você quiser ajudá-la com a campanha, saiba como no site oficial.

LEIA MAIS:

- 23 livros escritos por mulheres que você precisa ler

- John Boyega, protagonista de 'Star Wars: O Despertar da Força', manda mensagem inspiradora para o garotinho Matias

- Para David Bowie, ler era a ideia de felicidade perfeita

Também no HuffPost Brasil:

Os 11 livros mais polêmicos da história


SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: