NOTÍCIAS

Jovem negro é morto por PM após 'escorregão' e 'disparo acidental' na Grande São Paulo (VÍDEO)

26/01/2016 15:44 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

O estudante Allan Vasileski, de 17 anos, foi morto com um tiro nas costas na última sexta-feira (22), em Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo. O disparo, feito pela pistola .40 do policial militar Melquíades Nascimento Dias, de 37 anos, teria sido causado por um ‘escorregão’, alegou o PM. Amigos do jovem não acreditam nesta versão.

A ocorrência foi registrada por uma câmera de segurança na rua onde Allan acabou morrendo. As imagens, divulgadas pela Ponte, mostram dois jovens correndo pela rua. Ao se aproximar de um veículo Fiat Palio Weekend, Allan parece tentar dizer algo a um homem que tem uma criança nos braços. Em seguida, o jovem cai no chão.

Momentos depois o policial Melquíades aparece nas imagens. Ele logo percebe o ferimento do estudante, mas não permite que outras pessoas se aproximem dele. No mesmo vídeo divulgado pela Ponte aparecem imagens gravadas por um morador, mostrando a revolta dos moradores e o socorro no bairro, comprovando a morte de Allan.

“Não tenho dúvida. Ele veio para matar meu filho”, afirmou à reportagem a mãe de Allan, Ivani Regina Vasileski, que disse ainda que o PM mirou no jovem antes de atirar.

Em depoimento à Polícia Civil, o policial alegou que, durante a perseguição, acabou escorregando no piso molhado e sua arma disparou, acertando as costas do jovem. O PM afirmou ainda que estava no bairro atrás de um suposto foragido da Justiça e que Allan estava em um grupo de jovens que correu ao avistarem a polícia.

O policial foi liberado e, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), ficará recolhido disciplinarmente no 32º Batalhão.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- PMs não entregam arma que executou vigia em farsa de atropelamento em SP

- Fim dos autos de resistência ajuda no combate ao racismo da polícia, diz secretário

- PM de SP matou mais em 2015 do que ataques do PCC há 10 anos

- Crueldade: PMs do Rio acusados de torturar jovens e obrigar sexo oral no dia de Natal