NOTÍCIAS

Dicas de como sobreviver ao fim de um relacionamento para introvertidos

26/01/2016 20:53 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
STOCKSY

Este artigo apareceu originalmente no site QuietRev.com

Todo fim de relacionamento é ruim. Não tem como escapar esse fato da vida. Mesmo os mais sábios entre nós— como os professores de yoga que meditam diariamente naquelas posições perfeitas de lótus - se transformam em criaturas parecidas a gnomos curvados bramindo e sofrendo por causa de seus corações partidos e machucados. (Descrição exata, não é mesmo?)

Para nós, os introvertidos, esse tipo de situação nos afeta profundamente. Nosso grupo de amigos e nossas conexões são bem mais íntimos, então é complicado ver nossos círculos de confiança diminuindo cada vez mais enquanto tentamos nos despedir de uma parte importante das nossas vidas.

Mas eu estou aqui para dizer que existe sim uma luz no fim do túnel. Você amou e perdeu esse amor, mas esse é um estado transitório. Você não ficar assim morto de fome para sempre, mesmo achando que vai conseguir sobreviver de sorvetes e oreos.

(E não, esse não é um cliché. Oreos aliviam a dor— esse fato é cientificamente comprovado.) Eu sei que você provavelmente está chorando em seu teclado agora mesmo, então leia estas dicas várias vezes, até ficar cansado ou até que se sinta melhor. Preparado? Primeiro…

Respire fundo e relaxe

Em questões particularmente importantes do coração meu cérebro fica pirado, dando voltas e voltas, totalmente fora de controle. Sair em novos encontros amorosos torna-se menos emocionante, sem aquele

“Eba! Talvez eu encontre o amor da minha vida, uma companhia ideal e, além disso, um fantástico companheiro de viagem!” Ou ainda... “Tudo está em jogo! É uma questão de vida ou morte, gente!”

Se isso acontece normalmente quando você sai com alguém e foi legal, imagina como é quando acontece no fim de uma relação. (Combine essa ansiedade toda e multiplique por um milhão de vezes e você estará bem próximo do meu estado mental.)

A quantidade de energia gasta tentando decidir se eu deveria reativar o meu perfil no site de namoro seria capaz de gerar energia suficiente para iluminar uma pequena cidade. E na verdade tudo o que se requer é apenas um clique no botão de seu bendito computador.

Soa conhecido?

O fim de um relacionamento é o momento para se permitir um tempo e se dizer RELAXA, DE UMA VEZ POR TODAS P*RR@!!! E, veja bem, eu te entendo. É um dos conselhos mais simples, mas não é um dos mais fáceis.

O seu coração foi quebrado em mil pedaços; você está chorando no banheiro de seu trabalho; e, você precisa se esforçar até para se levantar do sofá e ir tomar um banho. Quando eu peço que você mergulhe fundo e tire de dentro de você a pouca vontade que restou e está lá bem escondida, eu sei que não estou pedindo pouca coisa.

Eu sei que você está tentando se agarrar a qualquer coisa que possa fazer você se sentir melhor. Você acha que se conseguir fazer planos você conseguirá se livrar um pouco da sua dor. (Já falaremos sobre isso.)

Mas existe um tempo certo. Existe um momento para todos esses tipos de decisões e certamente não é no dia em que você não consegue se lembrar quando foi a última vez que lavou o seu cabelo.

Então, por favor, acalme-se. Vá lavar esse seu cabelo. Tire todas as principais decisões da sua frente. Agora você apenas precisa se preocupar em se alimentar e se vestir, e fazer o mínimo possível para não perder o seu emprego.

Talvez também precise lembrar de pagar o aluguel.

Agora, diga a seus amigos que eles precisam relaxar

Sabe pelo que você não é responsável agora? Ser exatamente uma boa amiga (ou, um bom amigo). Você tem o direito de cancelar os planos em cima da hora, chorar na mesa do bar e falar sem parar sobre o fracasso de sua relação, por um mês.

Você será desagradável, mas é seu direito por um breve espaço de tempo. Sendo assim, eu autorizo você a ser irritante.

O lado bom de tudo isso?

Você terá todos os maravilhosos e bem-intencionados amigos extrovertidos para te ajudar a ficar bem. Você sabe quem são eles. Eles dirão, “Você precisa encontrar outra pessoa para se envolver e esquecer daquele outro!” e vão criar perfis online para você sem sua autorização e tentarão te levar em todas as festas possíveis e imagináveis para empurrar na sua frente qualquer coisa viva que pareça relativamente sem compromisso.

Abençoados sejam esses amigos. Eles são tão lindos. Eles querem que você se sinta melhor. Eles querem que você seja feliz. Eles não entendem o quão irremediavelmente sem noção eles são. E não faz parte de seu trabalho educá-los sobre isso agora.

Claro, normalmente, você pode querer pausar e se dizer, “Oh, a Márcia! Ela não entende que eu sou introvertida e não estou a fim de um karaokê. Ela está tentando me tirar fora da minha carapaça!” (Nós somos introvertidas, Márcia. Nós gostamos de ficar ali, viu?)

Sabe, normalmente normal, você até teria considerado cantar em um grupo grande de amigos, claro, se você pudesse ficar cantando atrás dos outros. Mas hoje? Você pode mandar a Márcia calar a boca e sair do seu pé.

Não permita que ninguém te apresse na sua dor de coração partido. (O que nos leva ao próximo ponto…)

Você precisa processar e lamentar a perda

Lembra de toda essa dor que eu falei antes? Tadinhos. Eu queria mesmo era poder dar um abraço em vocês pela tela do meu computador. Uma hora, você vai ter que sentir essa dor e eu sugiro que seja mais cedo do que tarde. Acredite, quanto mais tarde for, pior será. (Falo por experiência própria.

Esta pessoa aqui sabe bem o que é chorar em uma pista de dança às 3 da manhã, uns seis meses depois do término da relação. E, claro, tinha bebidas alcóolicas no meio. Obviamente.)

Na maioria dos casos, quando um relacionamento se acaba, as minhas amigas não entendem que na verdade o que eu quero é ficar sozinha. Elas ficam confusas pois, afinal de contas, parece ser o contrário dos conselhos mais comuns sobre relacionamentos, que diz que devemos ficar rodeados de pessoas nessas horas.

Substitua o tempo que você passava com uma pessoa só com o tempo que passa com todas as outras pessoas e você ficará bem, certo?! Sei... não é bem assim, não é?

Para nós, introvertidos, a interação social tende a ser mais medida e bem pensada. Nós somos um pouco mais sensíveis e cuidadosos ao escolhermos quem terá nossa limitada atenção. Quando se trata de conexões românticas—quando se trata daquela pessoa especial que tinha toda a prioridade sobre o nosso tempo (uhh, caramba!)—nós somos mais cautelosos.

E agora, mesmo sendo bem lógicos na escolha, não deu certo.

E a pessoa do outro lado da equação, aquela que quebrou o seu coração, provavelmente nem entende isso. Ela não consegue entender que ele foi “o seu afortunado escolhido” ganhando toda a sua atenção e essa pessoa não consegue apreciar como era realmente importante para você ter começado essa relação amorosa com ela.

Então você precisa sim lamentar essa ausência. Mas você precisa lamentar a falta de comunicação também.

Mesmo que sua separação tenha sido bem pensada, gentil e madura, essa pessoa toda especial não será substituída, de uma hora para outra. Essa é a realidade em qualquer caso de fim de relacionamento, não importa de quem se trate, mas se esta perda parece profunda e devastadora de uma forma que você não consegue bem descrever para sua família e amigos, tudo bem.

Tire um tempo para você, para processar e sentir essa perda até que você consiga explicá-la. Livre-se da expectativa das outras pessoas e dos prazos (porque não existe nada pior do que ver amigos mentalmente calculando a quantidade de dias que deveria levar para esquecer de alguém).

Para que eu possa montar a história da minha relação e seu fracasso, eu preciso fazer uma avaliação e processar a situação primeiro. Eu preciso encontrar alívio nas atividades que amo—leitura, yoga, caminhadas solitárias —antes que eu possa encarar o montão de conselho que está prestes a chegar. Por que, sabe de uma coisa?

Você precisa esquecer!

Ah, o equilíbrio... Seu danado! Uma hora você terá que falar sobre o fim da relação e nessa hora será apropriado começar a ouvir os conselhos. Quer dizer, tudo que eu acabei de te falar—quero dizer todas essas coisas de relaxar, processar, lamentar, tirar um tempo para si e não se preocupar muito de ser uma boa companhia —tem um prazo. (O que quero dizer é que uma hora você vai querer se conectar com a Márcia novamente.

Ela é mesmo uma excelente amiga e vocês se conhecem há tanto tempo.) Mas eu quero enfatizar a todos vocês introvertidos por aí: não tem problema se o seu prazo é um pouco mais para frente, bem mais do que você gostaria que fosse.

Entretanto, você deve deixar isso para trás. (Lembre-se que você ainda deveria sair e conhecer outras pessoas.) A boa notícia é que nós introvertidos fomos feitos com uma fortaleza de tranquilidade. Enquanto alguns amigos seus podem estar achando que você está apenas se remoendo, triste e rabugento no seu apartamento, na verdade o que você está fazendo é curando a si mesmo.

Você está acumulando lições; você está pensando sobre o seu comportamento e você está considerando as suas diferentes opções. Você está cuidando de si para quando uma nova oportunidade de um grande A-M-O-R vier, embora você esteja mega assustado, você consiga pular e se arriscar novamente.

Então, claro. Você está se sentindo mal agora e precisa de uma pausa. Mas você terá a coragem e a força para amar de novo. Eu sei disso. Diga isso para sua mente boba até ela ouvir (e ela eventualmente fará isso, eu prometo), e tudo ficará bem.

(Tradução: Simone Palma)

LEIA MAIS:

Silêncio! 7 dicas para introvertidos fazerem colegas de trabalho pararem de falar

Guia básico para vencer a timidez e não ser grosseiro sem querer

12 coisas você precisa entender sobre os introvertidos