NOTÍCIAS

Impostos: Crise derruba arrecadação e governo registra queda de 5,6%, pior nível desde 2010

21/01/2016 11:26 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
xun reborn/FIickr
Cuanto han pagado de impuesto este año los brasileños. São Paulo

Apesar da volta e da alta de impostos em 2015, a arrecadação de tributos teve uma queda de 5,6% em 2015, com um total de R$ 1,221 trilhão.

Segundo a Receita Federal, o resultado apresentou queda de 5,62%, na comparação com 2014 – o menor resultado desde 2010, quanto totalizou R$ 1,152 trilhão, já com inflação descontada.

O péssimo desempenho da arrecadação foi fortemente impactado pela derrocada da atividade no ano passado, tendência vista mês a mês. Economistas ouvidos pelo Banco Central estimam que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro encerrou 2015 com contração de 3,75%, conforme pesquisa Focus mais recente, pior dado em décadas.

O principal fator que contribuiu para a redução da arrecadação no ano passado foram os parcelamentos em 2014 que não se repetiram em 2015, como o Refis da Copa – reabertura de programa especial de negociação de dívidas. No ano passado, foram arrecadados R$ 21,441 bilhões, com os parcelamentos especiais, contra R$ 35,826 bilhões, em 2014, queda real de 44,78%.

Também contribuíram para a redução na arrecadação as desonerações tributárias. No ano passado, o governo deixou de arrecadar R$ 103,262 bilhões, devido às desonerações. As maiores perdas vieram da desoneração da folha de pagamento (R$ 24,149 bilhões) e da ampliação de setores da economia no Simples Nacional (R$ 11,577 bilhões).

A queda na lucratividade das empresas reduziu também a arrecadação de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), que totalizou R$ 183,547 bilhões, uma redução de R$ 29,440 bilhões em relação a 2014.

As receitas previdenciárias caíram 6,59%, em 2015 comparadas ao ano anterior. A receita da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e do Programa de Integração Social (PIS) caiu 4,9%. A queda com a arrecadação de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) ficou em 16,07%.

Para este ano, as expectativas são de novo declínio na economia, com a continuidade das dificuldades políticas e fiscais deixando o quadro novamente fraco para a arrecadação.

(Com informações da Agência Brasil e da Reuters)

LEIA MAIS:

- Como a taxa básica de juros a 14,25% impacta negativamente sua vida

- Brasil terá pior PIB entre as principais economias do mundo e deve voltar a crescer em 2018, prevê FMI

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: