NOTÍCIAS

Líderes mundiais se reúnem em Davos até sábado; Dilma fica de fora do encontro

20/01/2016 08:44 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Bloomberg via Getty Images
A WEF logo sits on display in a hall inside the Congress Center ahead of the World Economic Forum (WEF) in Davos, Switzerland, on Tuesday, Jan. 19, 2016. World leaders, influential executives, bankers and policy makers attend the 46th annual meeting of the World Economic Forum in Davos from Jan. 20 - 23. Photographer: Jason Alden/Bloomberg via Getty Images

Começa, nesta quarta-feira (20), o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

O encontro que dura até sábado (23) tem como cenário um mundo bastante "instável" e que vai render muito pano para manga: a China, que na última semana registrou o menor crescimento dos últimos 25 anos, a escalada de tensão no Oriente Médio, a crise de refugiados, o preço do petróleo...

É a instabilidade do gigante asiático, aliás, que vai manter a presidente Dilma Rousseff longe de Davos: segundo o Planalto, a presidente está concentrada em formular propostas para combater a crise no Brasil, e evitar que os problemas da China respinguem por aqui.

A ausência da mandatária não é novidade: no ano passado, ela deixou de ir a Davos para marcar presença na posse do presidente da Bolívia, Evo Morales. Desde que assumiu a presidência, Dilma só foi ao evento em 2014. No lugar dela, vai o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa.

Este ano, o tema do Fórum será a Quarta Revolução Industrial. De acordo com os organizadores do evento, mais de 1.500 líderes de negócios e cerca de 1.000 membros de companhias internacionais vão debater os impactos da inovação e da tecnologia na indústria e na sociedade.

Os participantes do fórum vão assistir a discursos de líderes internacionais como o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. O evento reúne líderes empresariais e governamentais de todo o mundo, acadêmicos, jornalistas e representantes da sociedade civil para discutir os desafios para o desenvolvimento mundial e melhorar o ambiente de negócios.

LEIA MAIS:

- 62 pessoas versus 3,6 bilhões: 7 formas de combater a desigualdade no mundo

- 62 pessoas têm o mesmo dinheiro que metade mais pobre da população mundial

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: