NOTÍCIAS

Brasil terá pior PIB entre as principais economias do mundo e deve voltar a crescer em 2018, prevê FMI

19/01/2016 10:39 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
EVARISTO SA via Getty Images
Brazilian President Dilma Rousseff delivers a speech during new Finance Minister Nelson Barbosa's installation ceremony at the Planalto Palace in Brasilia, on December 21, 2015. Barbosa replaces Joaquim Levy in the Ministry of Finance. AFP PHOTO/EVARISTO SA / AFP / EVARISTO SA (Photo credit should read EVARISTO SA/AFP/Getty Images)

O Brasil deverá ter o pior desempenho econômico entre os principais países do mundo em 2016 e 2017, de acordo com novas previsões divulgadas nesta terça-feira (19) pelo FMI (Fundo Monetário Internacional).

Para este ano, a atividade econômica do País deve encolher 3,5%. A previsão fica atrás até mesmo da Rússia, que deverá ter uma contração de 1,0% no PIB neste ano. Para 2017, a aposta é de estagnação, com crescimento zero, ante previsão de expansão de 2,3% do relatório anterior do FMI, divulgado em outubro. Com isso, o tão esperado crescimento só ficaria para 2018.

Além de ter o pior PIB entre as principais economias mundiais para este e o próximo ano, o Brasil foi o país que teve o maior corte nas projeções no relatório. A projeção para 2016 foi cortada em 2,5 pontos porcentuais e a de 2017, em 2,3 pontos. Para 2015, o Fundo projeta retração de 3,8%.

Os economistas da entidade culpam o País pela piora nas projeções de crescimento da América Latina, que deve ter contração de 0,3% em 2016 e crescimento de 1,6% em 2017 -- alta puxada pelo México, que crescerá 2,6% este ano e 2,9% em 2017.

"Há grande divergência entre os emergente, como o Brasil, que enfrenta problemas políticos, e outros com melhor situação que estão crescendo menos", afirma o economista-chefe do FMI, Maurice Obstfeld em um vídeo. A economia brasileira pesou sobre as estimativas para o crescimento global, que foram reduzidas em 0,2 ponto percentual tanto para 2016 quanto para 2017, respectivamente para expansão de 3,4% e 3,6%.

Os motivos da recessão

Para o FMI, os mercados emergentes e economias em desenvolvimento estão enfrentando agora uma nova realidade de crescimento mais baixo, com forças cíclicas e estruturais afetando o tradicional paradigma de crescimento.

Segundo o FMI, a recessão "mais longa e mais profunda que o previsto" no Brasil vem sendo causada pela incerteza política e pelos desdobramentos das investigações de corrupção na Petrobras. Além do impacto político da Operação Lava Jato, a petroleira e sua cadeia produtiva e de fornecedores têm cortado investimentos e engavetado projetos.

As projeções do FMI para a atividade econômica brasileira, que enfrenta forte recessão em um cenário de inflação e juros elevados agravado por uma crise política, são piores do que as de economistas de instituições financeiras. Pesquisa Focus do Banco Central aponta que eles veem retração de 2,9% em 2016 e crescimento de 1% no ano que vem.

(Com informações da Reuters e Estadão Conteúdo)

LEIA MAIS:

- Feliz ano velho

- 'Nova Classe Média' em crise: Desemprego manda 3,7 milhões de brasileiros de volta para as classes D e E

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: