NOTÍCIAS
18/01/2016 15:38 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Datena desiste de disputar Prefeitura de SP e afirma que vai sair do PP

Reprodução/Twitter

O apresentador José Luiz Datena disse nesta segunda-feira (18) que desistiu de disputar a Prefeitura de São Paulo pelo PP e que vai se desfiliar do partido, no qual havia ingressado no ano passado.

"Não posso permanecer em um partido que tomou mais de R$ 300 milhões da Petrobras", afirmou o jornalista em seu programa diário na rádio Bradesco Esportes FM, que pertence ao Grupo Bandeirantes.

Datena deu a declaração um dia após o jornal O Estado de S. Paulo publicar reportagem, na manchete da edição de domingo, que mostrou que a Procuradoria-Geral da República estima em R$ 358 milhões o total de propinas obtidas pelo PP entre 2006 e 2014, a partir do esquema de corrupção na Petrobras.

O dado consta de denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal contra o deputado Nelson Meurer (PP-PR). Parte dos valores desviados foi acobertada por doações oficiais de campanha, segundo a Operação Lava Jato. O PP, como mostrou a reportagem, é o primeiro partido a ter seu esquema de corrupção e financiamento ilegal devassado pela força-tarefa.

Outro motivo citado por Datena para desistir da pré-candidatura a prefeito e da permanência no PP é a hipótese de realização de prévias para definir o nome do partido na eleição paulistana. Segundo nota publicada pelo jornal Folha de S.Paulo, o deputado e ex-prefeito Paulo Maluf, que em 2012 celebrou o apoio da sigla ao petista Fernando Haddad, quer disputar a indicação da legenda ao cargo.

"Jamais disputaria uma prévia eleitoral com (Paulo) Maluf. Preferia uma disputa com o Marcola (Marcos Herbas Camacho, principal líder do PCC)."

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- O tamanho da perda eleitoral de Haddad com aumento da tarifa em SP

- Reeleição de Haddad é vista como prioridade para o futuro do PT

- Datafolha: Russomanno lidera com folga corrida pela Prefeitura de São Paulo

- O circo que nem Tiririca poderia prever nas eleições de 2016 em São Paulo