COMPORTAMENTO

Atleta de crossfit quer quebrar padrões da masculinidade e pede que homens falem sobre doenças mentais

18/01/2016 13:56 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Levantar 120 kg ao som de Single Ladies, de Beyoncé, alçou o australiano Khan Porter ao estrelato no Facebook.

Seeing as Instagram only allows 15 seconds of dancing and apparently the interwebs doesn't mind a bit of Beyoncé, here is the full version of my pre snatch boogie.Channing Tatum Khan at me bah Bar at 120kg/264lbswww.iamkhanporter.com

Publicado por Khan Porter em Segunda, 11 de janeiro de 2016


Gostou? Você não é o único. E Porter decidiu usar o seu auge virtual para promover uma bela discussão sobre masculinidade.

Dias depois do vídeo ao som da diva do americana, foi a vez de falar bem sério:

Beyoncé, Masculinity and Mental Health.If you guys watched my Beyoncé video yesterday, I would love you to take a...

Publicado por Khan Porter em Terça, 12 de janeiro de 2016


Aqui vai a tradução:

Beyoncé, masculinidade e saúde mental

Se vocês asssistiram meu vídeo da Beyoncé ontem, eu adoraria que vocês parassem um momento e lessem o seguinte.

Republiquei ontem um vídeo em que eu dançava ao som de Beyoncé e, no momento em que eu escrevo isso, ele já foi visto mais de 1,5 milhões de vezes.

Ele também foi compartilhado um monte de vezes, e foi até parar na TV... Hahah

Republiquei o vídeo depois de ver a batalha de lip sync entre Channing Tatum e sua esposa, em que ele se vestiu de mulher e dançava uma música da Beyoncé, levando a internet ao delírio.

Obviamente eu publiquei o vídeo por diversão, mas também porque eu acho que á maneira como o público reagiu reflete uma mudança muito bacana nas noções preconcebidas de masculinidade, e acho que é uma boa oportunidade para começarmos algumas conversas mais positivas sobre o que significa “ser homem”.

Um homem famoso entra em rede nacional, se veste de mulher e dança uma música de menina, e o mundo aceita isso de braços abertos.

Eu publico um vídeo onde danço e também recebo carinho, o que mostra uma mudança na maneira como a sociedade vê a masculinidade ou o que é aceitável que um homem faça.

Mas até onde vai essa aceitação?

Se eu ou Channing Tatum fôssemos abertamente gays, e fizéssemos a mesma coisa, as pessoas ainda aplaudiriam?

Ainda há muitas ideias estigmatizadas sobre a masculinidade e os homens encaram problemas muito reais sobre como lidar com o que a sociedade considera ser um comportamento apropriado para seu gênero.

Você sabia que o suicídio é a principal causa de morte para homens entre os 15 e os 44 anos?

E que o índice de suicídio entre homens é quase o triplo quando comparado com as mulheres?

Como alguém que tem experiência com problemas de saúde mental, sei como é difícil para um homem buscar ajuda para algo que muitas vezes é desprezado como “ser bichinha” ou “pau mole”.

Se a sociedade pode se divertir e aceitar um homem que se veste e/ou dança como mulher hoje em dia, não pode ser muito mais difícil levar um papo com seus amigos sobre algo como doenças mentais.

Assim como é ok para os homens dançarem, é ok que eles tenham batalhas mentais e emocionais às vezes também.

Se um monte de gente pode assistir a um vídeo de 25 segundos, com certeza eles também podem reservar um tempo para perguntar para um de seus amigos se está tudo bem.

Ficam as dicas de Porter: falar sobre problemas mentais, cultivar empatia com quem sofre mais do que você e desafiar os padrões seculares estabelecidos.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM:

- 24 famosos brasileiros que falaram abertamente sobre sua saúde mental

- 6 sinais de que você precisa consultar um profissional de saúde mental

- 11 coisas que quem ama alguém com doenças mentais deveria saber