NOTÍCIAS

‘Bowie foi um dos artistas mais importantes do pop, desde que o rock é rock', escreve Caetano

15/01/2016 19:05 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Facebook/Reprodução

A morte de David Bowie na última segunda-feira (11) continua reverberando no mundo das artes, trazendo ao conhecimento público novas informações e curiosidades sobre seu trabalho e história.

Caetano Veloso, artista contemporâneo de Bowie e que ainda não tinha se pronunciado sobre a morte do astro – publicou nesta quinta-feira (14) um longo texto em seu página no Facebook.

Nele, Caetano lamenta a morte do Camaleão do Rock e conta como foi o primeiro e único contato de ambos, em 1970.

Na verdade, Bowie e eu nos encontramos, de modo breve e pouco significativo para ambos. Ralph Mace, o produtor dos meus dois discos londrinos (e que tinha colaborado com Bowie) quis aproximar-me dele: cria que eu devia colaborar com seu trabalho. Levou-me para ver um show dele na Round House e depois nos apresentou no camarim. Eu não tinha gostado do show.

Coloca em paralelo sua trajetória de músico tropicalista e a do artista quatro anos mais novo e mais pop.

Há a questão geracional: pessoas 10 anos mais novas do que eu se sentiram liberadas pelo estilo de Bowie. Eu me liberara com Jorge Ben, John Lennon e Mick Jagger - além das experiências próprias nossas dos tropicalistas de 1967. Bowie parecia ter surgido para me prender de novo a convenções de palco-e-plateia. Ou seja: perdi o bonde de Bowie. Só décadas depois é que admiti a grandeza histórica do artista que ele chegou a ser.

Deixa suas impressões sobre último videoclipe, para a faixa Lazarus, lançado por Bowie às vésperas de sua morte.

Vendo o vídeo de Lazarus, fiquei impressionado com a força expressiva. Nunca nenhuma canção de David Bowie ficou em minha cabeça. (...) "Lazarus" me soou mais forte como concepção de arranjo do que quase tudo dele. E a inserção dessa dança meio robótica, meio espiritual que ele fez e refez tantas vezes ao longo da vida (de fato, um dos mais belos ecos dos espasmos de Elvis) transforma todo o vídeo num acontecimento poético.

E encerra o texto elogiando o artista multifacetado:

David Bowie foi um dos artistas mais importantes do pop, desde que o rock é rock. Enquanto eu fazia "clips do Fantástico" ele redesenhava-se como capas de revistas de moda ou de móveis modernos. Pôs a obra em Wall Street, casou-se com uma modelo preta, gravou um belo vídeo sobre a morte que aconteceu de ser lançado logo depois de ele morrer. Nesse vídeo ele nos diz que está no céu. E que tem cicatrizes invisíveis. Tem algo das obras de arte arrebatadoras e inesquecíveis.

Leia o texto na íntegra:

Caetano escreve sobre a morte do cantor David Bowie: "Soube da morte de David Bowie com atraso. Estava entre Austin,...

Publicado por Caetano Veloso em Quinta, 14 de janeiro de 2016