COMPORTAMENTO

4 lições que 'Peanuts, o Filme' pode te ensinar sobre a vida

15/01/2016 21:06 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Nesta semana estreou Snoopy & Charlie Brown – Peanuts, o Filme (The Peanuts Movie, 2015), filme baseado na tirinha de quadrinhos de Charles Schulz (1922-2000).

Desta vez, Charlie Brown se apaixona perdidamente pela Garotinha Ruiva, quando ela se muda para a vizinhança. No entanto, ele precisa deixar de ser tão azarado para conseguir chamar a atenção dela sem tudo ir buraco abaixo.

Snoopy, por sua vez, embarca em uma aventura particular enquanto escreve seu livro.

Além de ser divertida — e fiel às tirinhas —, a animação é uma nova oportunidade para nos identificarmos com as situações vividas pelas personagens.

Essa é uma das características principais de Peanuts. Charlie e Sally Brown, Snoopy, Woodstock, Linus e Lucy van Pelt, Patty Pimentinha, Marcie, Schroeder e tantas outras personagens têm distintas e marcantes personalidades, além de conhecimentos diversificados sobre a vida para oferecerem uns aos outros.

Eles vivem situações familiares, como escolhas diante de situações desafiadoras, amor não correspondido e fases de pessimismo.

O HuffPost fez para você uma seleção de alguns dos temas que o filme aborda. Observadores atentos conseguirão captá-los.


1. Tenha amizades duradouras.

Em Peanuts, o grande grupo de amigos da vizinhança compartilha entre si conselhos, disposição para ouvirem uns aos outros e empatia com as questões e dilemas de cada um.

Características como essas são essenciais para se ter amizades duradouras.

É importante também ter intimidade, presença com regularidade e lealdade, segundo este estudo psicológico.

Charlie Brown e Snoopy são um exemplo de apoio e lealdade mútuos.


2. Ser introvertido não é algo necessariamente ruim.

No filme, Charlie Brown mostra ser disciplinado para trabalhar sozinho em um resumo de livro para a escola. Ele deveria fazer o trabalho com um de seus coleguinhas, mas algo acontece e Charlie deve seguir sozinho na tarefa, cujo resultado o deixa satisfeito.

Segundo Susan Cain, autora do livro O Poder dos Quietos (Agir, 2012), a introversão tem seu lado positivo.

Para Cain, empresas devem encorajar seus funcionários, independentemente do perfil psicológico, a interagirem entre si em situações como conversas de café. Mas as firmas devem compreender também que pode ser uma ótima ideia deixar quem é introvertido realizar tarefas sozinho.

"Nós, [introvertidos,] precisamos de mais privacidade, liberdade e autonomia no trabalho. O mesmo sobre a escola", explica a autora, em palestra no Ted.

"Precisamos ensinar nossas crianças a trabalharem juntas, é claro, mas também precisamos ensiná-las como trabalhar sozinhas. Isso é extremamente importante para crianças introvertidas. Elas precisam trabalhar sozinhas porque é daí que vêm os pensamentos mais profundos, em parte."

Por favor, não coloque os introvertidos sempre no trabalho em grupo. Entenda que, sozinhos, eles podem ser mais eficientes em suas tarefas. Charlie Brown e seu resumo de livro que o digam.


3. Fase difícil? Parece que nada vai dar certo? Dê utilidade ao pessimismo.

Você é pessimista?

O Charlie Brown, sim. Além disso, é azarado, ansioso e desastrado. Não consegue empinar pipa ou passar por qualquer lugar sem tomar um tombo e deixar um rastro de destruição. Ele próprio já abriu mão de tentar não arruinar tudo. No entanto, sabe como usar o pessimismo para bloquear sua ansiedade.

Na animação Charlie Brown e Snoopy (1969), Linus van Pelt, melhor amigo do menino desastrado, diz: "A vida é difícil, não é, Charlie Brown?".

O protagonista responde: "Sim, é, mas eu desenvolvi uma nova filosofia. Eu temo apenas um dia de cada vez".

(via HuffPost US)


4. Um amor não correspondido pode ser o que você precisa.

Sally, irmã de Charlie, é maluca por Linus

No novo filme, quando Charlie Brown vê a Garotinha Ruiva pela primeira vez, é inevitável: ele se apaixona perdidamente por ela. A baixa autoestima de Charlie o impede de falar com a Garotinha Ruiva, de modo que ela fica ainda mais afastada de saber dos sentimentos do garotinho por ela.

Mas um amor não correspondido pode ser o que ele precisa para mudar a si mesmo.

Segundo o psicólogo Ben Michaelis, uma experiência negativa com o amor pode fazer você se sentir indigno de ter o mesmo sentimento em troca – assim como Charlie Brown –, mas é importante saber encarar a situação com outro olhar:

"Se você encara a situação como uma experiência de aprendizado e levar esse novo conhecimento de volta para o mundo, tanto você quanto o mundo serão mais bem servidos", disse o doutor ao Medical Daily. "Você precisa acreditar em alguma coisa antes de encontrá-la."

E Charlie não é o único em Peanuts que sofre do "mal" do amor não correspondido. Sua irmã, Sally, é maluca por Linus, assim como Lucy suspira pelo pianista Schroeder.

Snoopy & Charlie Brown – Peanuts, o Filme é dirigido por Steve Martino.

Snoopy nos Cinemas

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: