NOTÍCIAS
11/01/2016 15:38 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Pastor evangélico que abusou de menor para 'purificá-la' é condenado pela Justiça de SP

iStock

Um pastor evangélico foi condenado pela 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) por atentado ao pudor mediante fraude. A pena foi fixada em dois anos e 11 meses de reclusão, em regime inicial semiaberto. O caso é de 2007 e envolve um homem que também responde à Justiça em um processo de homicídio qualificado.

De acordo com informações do processo, a vítima R.S.B tinha 15 anos na época do crime e frequentava a igreja evangélica na qual o pastor O.M.S. trabalhava.

Segundo os autos que correm na comarca de Itapecerica da Serra (SP), o homem se aproveitou da confiança da adolescente, que o via como líder espiritual e, após ouvir em confidência seus problemas de relacionamento com a mãe, convenceu a moça a se deixar “purificar” - e em duas ocasiões praticou sexo oral com ela.

No primeiro abuso, o pastor teria pedido para a vítima passar água nos seios, molestando-a em seguida. Na segunda, o réu praticou sexo oral na jovem. A vítima chegou a procurar primeiramente uma filha do pastor, que era sua amiga e não acreditou, para em seguida procurar o réu que pediu segredo, afirmando que “iria negar até a morte”.

A afirmação do pastor foi gravada pela vítima e ajudou o Ministério Público (MP-SP), autor do processo contra o religioso, a comprovar o crime – nos autos constam ainda laudos que comprovaram o abuso. O relator do caso, desembargador Ivan Sartori, ponderou que a vítima só permitiu o contato sexual por questões religiosas e por submissão ao pastor.

Em sua defesa, o réu alegou negou o crime, alegando ser impotente. A alegação, porém, não foi aceita pelo relator. Os desembargadores Edison Brandão e Camilo Léllis acompanharam a decisão em favor da condenação.

Na página do pastor no Facebook constam muitas mensagens religiosas, mas nenhuma menção ao crime. Além deste caso, o mesmo homem responde a um processo de homicídio qualificado de 1994, que ainda está em caráter recursal.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- O que a denúncia de estupro em Brasília tem a ver com o PL do Cunha?

- Por que na Globo um beijo gay é polêmico e uma cena de estupro é aceitável?

- Violência na Alemanha: O que se sabe sobre os ataques do Ano Novo

- Jovens torturados e obrigados a sexo oral no Natal por PMs no Rio temem vingança, diz deputado