NOTÍCIAS

Mensagens indicam ajuda de Wagner com doações a aliado político; TCU aponta superfaturamento em obras na BA

09/01/2016 11:36 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02
Lula Marques/Agência PT

Uma troca de mensagem telefônica entre um número supostamente pertencente ao fundador da OAS, César Mata Pires Filho, e um outro número desconhecido cita, um mês antes das eleições de 2014, o então governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), e sugere que o hoje ministro da Casa Civil negociou doações para Marcelo Nilo (PDT), presidente da Assembleia Legislativa da Bahia.

Nas mensagens são utilizadas siglas. Segundo os investigadores da Operação Lava Jato, "JW" é Jaques Wagner e "MN" é Marcelo Nilo. "Como é oficial. Estive com Ele (JW) agora me disse q poderia tirar 200 e passar pra mim. Pode confirmar com se for necessário abs MN12333 (Marcelo Nilo). Check com Kaka se é isso mesmo?", diz a mensagem encaminhada pelo número atribuído ao fundador da empreiteira na noite de 8 de setembro de 2014.

MN são as iniciais de Marcelo Nilo e 1233 é o número do então candidato na urna. "Destaque para a mensagem em que o solicitante lembra que no caso ‘é oficial’", salienta a Polícia Federal no documento encaminhado à Procuradoria-Geral da República (PGR). Na prestação de contas de Nilo há várias doações indiretas da OAS. A empreiteira doou R$ 100 mil via "Comitê Financeiro Único" e R$ 5.254,94 em outras 15 doações via Rui Costa (PT), aliado de Wagner e eleito governador da Bahia naquele ano.

Em 7 de agosto de 2014, do telefone atribuído pela investigação a Marcelo Nilo segue a seguinte mensagem para o empresário Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, condenado a 16 anos de prisão por envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras: "O Varjao ta muito tímido Veja o q pode fazer MN 1233 (Meu número da eleicao)".

Varjão é Elmar Varjão, executivo que assumiu a presidência da OAS após a prisão de Pinheiro. Varjão ficou preso por três dias em dezembro passado por causa da Operação Vidas Secas, que investiga a suspeita de superfaturamento e desvio de R$ 200 milhões em dois lotes das obras da Transposição do Rio São Francisco, entre Pernambuco e Alagoas. Treze dias depois, um número não identificado pelos investigadores envia uma mensagem assinada pelas iniciais e pelo número da urna de Marcelo Nilo a outro número não identificado: "Eu sei amigo. Vc sempre foi muito legal e correto. So estou pedindo pela amizade q fizemos. Campanha perdeu o controle e o gosto pois ficou muito cara Te agradeço MN1233".

'Um whisky resolve', afirma Léo Pinheiro sobre Geddel

Mensagens interceptadas na Lava Jato mostram que o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro tratava de arranjos políticos com o atual ministro da Casa Civil e então governador da Bahia, Jaques Wagner. Em uma das conversas, há indicação de tentativa de se resolver o imbróglio provocado pelo apoio do peemedebista Geddel Vieira Lima, à época vice-presidente da Caixa, à candidatura de oposição ao PT na disputa pela prefeitura de Salvador em 2012.

"Se você chamá-lo para um whisky resolve", escreveu Pinheiro a um telefone identificado pelos investigadores como sendo de Wagner. No diálogo, Geddel seria identificado pela letra "G" ou como "Gordinho". A mensagem foi enviada três dias depois do 1º turno da disputa da capital baiana. No 1º turno, o candidato do PT era Nelson Pellegrino, que concorreu com Mário Kertész (então PMDB) e ACM Neto (DEM). Pellegrino e ACM Neto foram ao 2º turno.

Na tarde de 10 de outubro de 2012, quando ainda restava dúvida sobre para qual candidato seria direcionado o apoio do PMDB no 2º turno, Pinheiro escreveu a Wagner: "Acabei uma longa conversa com o seu companheiro de avião ontem (G)". No próprio dia 10, Manuel Ribeiro Filho, da OAS, enviou mensagem a Pinheiro informando que o PMDB apoiaria ACM Neto e levantou questão sobre a permanência de Geddel na Caixa.

A OAS não se manifestou. Jaques Wagner não se pronunciou até a noite dessa sexta (8).

Para TCU, obra da OAS com Wagner foi superfaturada

O Tribunal de Contas da União (TCU) identificou uma série de irregularidades, em especial superfaturamento, no contrato de obras que levou o empreiteiro da OAS Léo Pinheiro a pedir que o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, atuasse no Ministério dos Transportes para liberar um valor adicional de R$ 41,76 milhões para uma obra em Salvador quando ele governava o Estado.

O projeto, que envolveu a construção de 14 viadutos e de uma via expressa de 4 km de extensão até o porto de Salvador, passou pelo pente-fino de diversas auditorias e monitoramentos realizados pela corte de contas desde a sua licitação, em 2008, quando Jaques Wagner ainda era governador da Bahia.

O pedido de ajuda de Pinheiro foi revelado na quinta (7), pelo jornal O Estado de S.Paulo. Nele, Léo Pinheiro solicita a Wagner que procure o então ministro dos Transportes, Paulo Passos, para liberar um valor de R$ 41,760 milhões ligado a esse contrato. Ao se debruçar sobre o contrato de R$ 399,705 milhões firmado entre a Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e a OAS, o tribunal identificou um volume de pedidos materiais muito acima daqueles previstos no projeto básico do empreendimento. Apenas com a inclusão de novos serviços no contrato, segundo os auditores, o preço da obra foi inflado em pelo menos R$ 9,368 milhões.

As alterações no escopo original do projeto também foram acompanhadas pelo aumento de preços. Foi o que os auditores encontraram, por exemplo, ao analisar a compra de vigas metálicas usadas na obra. O preço cobrado pela empreiteira para este item foi de R$ 7,13 por quilo, quando o orçamento original feito pela Conder com a Gerdau Aço Minas indicava valor de R$ 3,62 o quilo. "A comparação do valor considerado pela OAS no termo aditivo com o preço informado pela Gerdau indica uma significativa diferença de 96,96% para elementos na mesma data base", aponta o TCU, que estimou uma diferença de R$ 3,926 milhões somente em relação ao serviço de fabricação desse material.

Depois de realizar uma série de reuniões com representantes da Conder, da OAS e do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), que era o principal agente financeiro do projeto, o TCU concluiu que diversas irregularidades não foram explicadas.

Em 2010, o diretor de operações da Conder, Armindo Gonzales Miranda, reconheceu que houve irregularidades na quantidade de itens incluídos na obra, mas culpou o "curto espaço de tempo" que o órgão baiano teve para informar o Dnit sobre as necessidades do projeto. A pressa, justificou Miranda, teria ocasionado os erros. O TCU verificou, no entanto, que a Conder teve quatro meses para apresentar seus estudos em 2007, prazo que depois foi estendido em mais seis meses. Armindo Gonzales Miranda teve seus argumentos rejeitados e foi multado em R$ 3 mil.

Ligado ao Ministério dos Transportes, o Dnit era o principal financiador do projeto, responsável pelo aporte de R$ 339,3 milhões, entre contratações de obras civis, despesas com desapropriações e construção de passarelas.

O Ministério dos Transportes, a Conder e o Dnit não se manifestaram sobre o assunto, nem confirmam se os valores devidos do projeto foram efetivamente pagos à empreiteira. A OAS também não havia se pronunciou até a noite dessa sexta. Também procurado pelo jornal O Estado de S.Paulo, o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, não havia respondido à reportagem até a conclusão desta reportagem. Em nota emitida na quinta, ele negou irregularidades.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- 'Impopularidade não é crime', diz Jaques Wagner sobre Dilma

- Base aliada vincula 'enterro' do impeachment à melhora da economia

- Base aliada vincula 'enterro' do impeachment à melhora da economia