NOTÍCIAS

'Se um indígena cortasse a garganta de uma criança branca o Brasil viria abaixo', diz mãe de criança indígena morta em SC

07/01/2016 13:29 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02
Marina Oliveira/Cimi - Regional Sul

Centenas de pessoas protestaram na tarde desta quarta-feira (6) em Imbituba, cidade do litoral sul de Santa Catarina. Foi lá que, no último dia 30 de dezembro, o menino da tribo Caingangue Vitor Pinto, de 2 anos, foi assassinado quando era alimentado por sua mãe, em plena rodoviária da cidade. Um suspeito está preso, mas a família da criança lamenta como o caso expõe a situação indígena no Brasil.

“Se um indígena cortasse a garganta de uma criança branca o Brasil viria abaixo. Quero a mesma indignação pela morte do meu filho”, disse a mãe de Vitor, Sônia da Silva, de 27 anos, ao jornal O Estado de S. Paulo. Ela estava com o filho no colo quando um homem se aproximou e cortou a garganta da criança com um estilete.

Sônia estava na cidade com o marido, Arcelino Pinto, de 42 anos, e os três filhos (além de Vitor, um de seis anos e outro de 12 anos) desde o dia 26 de dezembro. O casal esperava vender artesanato, uma tradição Caingangue, na cidade durante o período de festas de fim de ano, quando há um aumento de turistas na cidade. Eles pretendiam permanecer até o fim do feriado de Carnaval.

Além de Caingangues e pessoas não-indígenas, o protesto teve a presença de índios da tribo Guarani Mbyá, que também usavam lenços vermelhos na região do pescoço, em menção ao local no qual Vitor foi ferido pelo seu agressor. A marcha seguiu da rodoviária de Imbituba para a delegacia da cidade. Lá, o delegado responsável pelo caso, Rafael Giordani, deu mais informações sobre o caso.

protesto

Ato seguiu da rodoviária até a delegacia da cidade (Jacson Santana/Cimi - Regional Sul)

O suspeito preso pelo crime é Matheus de Ávila Silveira, de 23 anos. Ele foi detido dois dias depois do assassinato, sendo encaminhado para o presídio de Tubarão (SC) após confessar o crime. Segundo o delegado, Silveira tem as características de um psicopata, pois não demonstrou sentir culpa.

Todavia, o delegado disse não acreditar que o crime tenha sido motivado por racismo ou preconceito, mas sim causado por problemas psicológicos de Silveira, que é alcoólatra, usuário de drogas e estaria envolvido com uma seita satânica da cidade. Seus pertences - uma mochila, um par de luvas e os tênis - foram reconhecidos pelos pais de Vitor.

Além disso, a imagem do suspeito também foi gravada pelas câmeras de segurança da rodoviária e do prédio do Ministério do Trabalho, que fica na frente do local do assassinato. Silveira ficará detido provisoriamente até o encerramento das investigações, segundo o delegado. As explicações, contudo, não convenceram os manifestantes, que acreditam que trata-se de um crime de ódio.

“Esse menino não é louco. Se fosse, teria escolhido o primeiro que viu na frente para matar. Ele escolheu Vitor, um bebê no colo de uma indígena. Escolheu porque eram vulneráveis, assim são os índios do Brasil. As pessoas são preconceituosas e nos tratam piores que animais, mas viemos exigir os nossos direitos”, disse a vice-cacique Márcia Rodrigues, que viajou da aldeia Condá, em Chapecó, no oeste catarinense, local de origem dos pais de Vitor.

Debate e triste realidade

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi), entidade vinculada à Igreja Católica e que atua junto às comunidades indígenas, havia inicialmente publicado um relato diferente do alegado pelo delegado do caso, afirmando que “a mãe da criança também não reconheceu o suspeito” e que ele “não confessou o crime”. A informação foi posteriormente corrigida pela organização.

No local onde Vitor foi morto, os manifestantes escreveram os dizeres “Vítor Kaingang, você vive em nós”. “Esperamos que haja Justiça, que exista respeito e menos discriminação contra o nosso povo”, disse durante o protesto a liderança Idalino Kaingang, que comanda a aldeia indígena Toldo Chimbangue, que fica também em Chapecó.

Idalino mencionou ainda que o casal buscou refúgio naquele dia na rodoviária de Imbituba apenas para descansar, algo comum entre os índios que vão à cidade nesta época do ano. Entretanto, isso não impede que eles não sejam alvo de preconceito, sendo inclusive expulsos do local. “Eu acho que o direito de ir e vir ninguém pode tirar. O artesanato é algo que é cultural, é histórico do nosso povo. Construíram a cidade em cima da nossa terra e agora querem nos dizer onde podemos ou não podemos ficar”, comentou.

No dia do crime, a direção do Cimi manifestou em nota uma preocupação com o clima de intolerância que se propaga contra os povos indígenas na região Sul do País, seja no trato direto e diário com os índios dentro e fora das grandes cidades, seja com pautas de políticos ligados ao interesse do agronegócio e contrários aos direitos dos indígenas.

"Trata-se de um crime brutal, um ato covarde, praticado contra uma criança indefesa, que denota a desumanidade e o ódio contra outro ser humano. Um tipo de crime que se sustenta no desejo de banir e exterminar os povos indígenas.

A Polícia Militar da região deu por desvendado o fato em poucos minutos. Prendeu, num bairro pobre, um presidiário, que usufruía do benefício do indulto de Natal e Ano Novo. Aparentemente tudo estava solucionado. Mas na delegacia da Polícia Civil de Imbituba o delegado ouviu o pai e a mãe de Vítor, e ainda outra testemunha, um taxista que estava no local na hora do crime. O homem indicado pela Polícia Militar como autor do assassinato não foi reconhecido pelas três testemunhas.

Informações colhidas na delegacia por um advogado que acompanhou a família Kaingang dão conta de que esse cruel assassinato pode estar relacionado a ações de grupos neonazistas ou de outras correntes segregacionistas, que difundem o ódio e protagonizam a violência contra índios, negros, pobres, homossexuais e mulheres (sic)."

Em 2014, um relatório da entidade revelou que 138 índios foram assassinados – levando em conta os últimos 12 anos, esse número sobe para 754 homicídios.

Para o coordenador substituto da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Chapecó, Clóvis Silva, não é possível desconectar a morte da insegurança vivida pelos indígenas no Estado. “Os Caingangues sobrevivem basicamente da venda dos cestos que fabricaram no inverno. Mas as pessoas os veem como incômodos. São expulsos de locais públicos, como estradas e rodoviárias. Desprotegidos, viram alvo fácil”, avaliou.

(Com Estadão Conteúdo)

ATUALIZADO EM 08/01/2015, ÀS 8h10: O Cimi revisou as suas informações e confirmou que o reconhecimento do suspeito, feito pela mãe da criança indígena, foi feito depois da publicação da sua nota. A reportagem foi atualizada.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- O efeito 'cara pálida'

- 'Funai mantém índios do Brasil na pré-história', diz deputado do PMDB

- Triste realidade: Brasil é bicampeão no prêmio 'Racista do Ano' no mundo

- ASSISTA: Índios denunciam avanço da Bancada Ruralista com PEC 215 e CPI da Funai

- 'Bancada Ruralista têm incitado o ódio contra índios', diz secretário do Cimi