NOTÍCIAS

Juros do cartão de crédito são os mais altos desde 1995: Sua dívida pode mais que dobrar se você não pagar toda a fatura

07/01/2016 17:02 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02
Reprodução

Pela 15ª vez seguida, as taxas de juros para o consumidor apresentaram aumento, de acordo com estudo da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade).

A taxa de juros média geral (que soma seis linhas de crédito) apresentaram uma elevação de 0,13 ponto percentual no mês, elevando de 7,43% ao mês, em novembro, para 7,56% ao mês (139,78% ao ano) em dezembro -- a maior taxa de juros desde janeiro de 2009.

As seis modalidades de crédito, como cartão de crédito rotativo, comércio, cheque especial, empréstimo pessoal e empréstimo de veículos e imobiliário, tiveram aumento em dezembro. Uma, em especial, chama a atenção: a taxa de juros do cartão de crédito apresentou elevação de 2,94%, passando de 13,94% ao mês em novembro, para 14,35% em dezembro, maior taxa desde outubro de 1995, quando a taxa batia os 15,43%.

No ano, os juros do cartão de crédito chegaram a incríveis 399,84%. Estes juros aparecem quando você paga o valor mínimo da fatura do cartão de crédito -- e as chances desta dívida ficar muito maior nas faturas seguintes é grande.

Apesar do aperto para fechar o mês no azul, especialistas em finanças pessoais não recomendam o pagamento mínimo da fatura do cartão, nem a utilização do cheque especial, por justamente serem os créditos mais caros no mercado. Os economistas consultados pela Anefac recomendam procurar outras linhas de crédito para pagar a fatura inteira do cartão, em vez de optar por pagar o mínimo:

"Existem linhas de crédito mais baratas como o microcrédito que tem taxa de 2,00% ao mês, penhor de jóias da Caixa Econômica Federal e do crédito consignado com desconto em folha. Assim, caso necessite de crédito, veja a possibilidade destes empréstimos mais baratos."

O dobro da dívida

De fato, o preço de você pagar o mínimo da fatura do cartão de crédito está saindo bem caro.

Se você tem um fatura de R$ 1.000 e decidir pagar o mínimo de R$ 150 (o pagamento mensal não pode ser inferior a 15% do total da fatura), você vai levar mais de 13 meses para quitar a fatura, que ao final, será de R$ 2.029,03 -- sendo R$ 1.029,03 só de juros, de acordo com a Calculadora do Cidadão, site do Banco Central. Pagando dessa forma, você fez uma dívida chamada "crédito rotativo".

Se você decidir prolongar as parcelas durante um ano, a dívida pode custar 4 vezes mais que a fatura. De acordo com a Anefac, utilizar o rotativo durante 12 meses para uma dívida de R$ 300, ao final deverá ter pago um total de R$ 1.499,53.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: