NOTÍCIAS
20/12/2015 10:12 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Brasil pode ter seguro popular de automóvel no ano que vem

Levi Bianco via Getty Images
[UNVERIFIED CONTENT] Trânsito congestionado na avenida 23 de Maio em São Paulo. | Congested transit on 23 de Maio avenue in São Paulo. | Carro, Carros, Ônibus, Moto, Motocicleta, Caminhão, Ponte, Asfalto, Congestionamento, Alto Tráfego, Hora do Rush, Baixa Velocidade, Tarde, Faróis, Lanternas, Placas de Trânsito, Prédio, | Crowded, Crowd, Car, cars, Bus, Bike, motorcycle, truck, Bridge, asphalt, congestion, high traffic, Rush hour, low speed, Late, headlights, Flashlights, street signs, Building,

A Superintendência de Seguros Privados (Susep) abriu na sexta-feira, 18, consulta pública para o seguro popular de automóvel que permite a utilização de peças usadas no conserto de carros segurados, conforme edital da minuta publicado no Diário Oficial da União. Interessados têm até 30 dias para enviar sugestões sobre o tema.

Na prática, o seguro popular de automóvel, uma demanda antiga do mercado de seguros, visa baratear o preço das apólices e atrair mais segurados que hoje circulam com seus veículos sem uma proteção securitária. Estimativas do setor dão conta de que somente um terço de toda a frota do País é segurada.

"51,9 milhões de veículos com mais de cinco anos de uso não têm seguro. É um mercado que pode passar a ser explorado a partir do seguro popular, que deve ser realidade no ano que vem", avaliou o presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), Jayme Brasil Garfinkel.

O impulso para o seguro de automóvel popular é a lei de desmanche legal, que regularizou a atividade de desmonte de veículo e já está em vigor em todo o Brasil.

A Argentina conta com lei semelhante. Lá, conforme o presidente da CNseg, o índice de furto e roubo diminuiu 50%, trazendo reflexos positivos para a sinistralidade e, consequentemente, para o preço do seguro de automóvel. Os mais otimistas acreditam em uma redução de até 30% das apólices no Brasil.

"A lei do desmanche em São Paulo funcionou muito bem e vai se expandir pelo Brasil em 2016. Há potencial grande no setor. No Brasil, as expectativas são de que ocorra o mesmo", analisou Garfinkel.

De janeiro a setembro, o mercado de seguro de automóvel movimentou R$ 24,2 bilhões em prêmios, montante 4,3% maior que o visto em igual intervalo de 2014, conforme a CNseg, com dados da Susep. O setor espera, porém, que este ramo apresente incremento de 3,5% ao final do ano, podendo ter leve aceleração em 2016, cuja expectativa é de avanço de 3,9%.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: