NOTÍCIAS
27/11/2015 17:39 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:34 -02

Não, um estudo NÃO concluiu que seu gatinho quer matar você

TAVIA VIA GETTY IMAGES

Várias manchetes dão a entender que um estudo recente concluiu que seu gatinho quer matar você.

Felizmente para quem tem um felino de estimação com acesso a armas, as manchetes são pura mentira.

Liderado por pesquisadores da Universidade de Edimburgo, o estudo compara a personalidade do gato doméstico com a do gato-selvagem escocês, da pantera-nebulosa, do leopardo-das-neves e do leão africano, baseando-se em avaliações feitas por pessoas que cuidam de gatos e por profissionais de zoológicos.

O artigo foi publicado no ano passado no Journal of Comparative Psychology. Nem mesmo a pesquisadora principal, Marieke Gartner, sabe dizer porque ele explodiu na mídia esta semana.

O que Gartner sabe é que muitos órgãos de mídia fizeram uma interpretação equivocada de seu estudo.

Para começar, ela não encontrou nenhum indicativo de que os gatos domésticos queiram matar humanos.

“Minhas pesquisas não apontaram para isso. Na realidade, não têm nada a ver com isso”, ela disse ao Huffington Post em e-mail. “Não sei por que as pessoas dizem algo assim.”

Mas não foi só nisso que os jornalistas se equivocaram. Vários artigos de diversas publicações dizem que gatos domésticos e leões possuem como traços de personalidade destacados o fato de serem “neuróticos”, “impulsivos” e “dominadores”. Segundo Gardner, é uma interpretação errônea de seu estudo.

O equívoco aconteceu porque Gartner falou dessas três características como sendo “fatores de personalidade” presentes nos gatos leões.

Mas o que isso significa é que uma maneira de avaliar a personalidade de um felino é posicioná-lo em um espectro que vai de pouco neurótico a muito neurótico ou de pouco impulsivo a muito impulsivo.

“No caso dos humanos, a personalidade é descrita segundo cinco fatores: abertura à experiência, consciência, extroversão, agradabilidade e neurose”, escreveu Gartner. “Existe uma diferença entre fatores e características.

As características de personalidade mais destacadas dos gatos e leões não são dominância, impulsividade e neurose. Esses são os três fatores de personalidade que descrevem cada espécie – mas cada indivíduo ocupa um lugar no espectro das características que compõem cada um dos fatores de personalidade.”

Mikel Delgado, consultora certificada de comportamento de gatos e doutoranda em psicologia na Universidade da Califórnia em Berkeley, tem algumas ideias sobre a razão por que as pessoas adoram atribuir motivações assassinas aos gatos.

“Os gatos não possuem tantos músculos faciais quanto os cachorros”, ela disse ao HuffPost. “Seu rosto é mais difícil de interpretar. As pessoas parecem se perguntar: ‘O que será que meu gato está pensando?’.”

Os gatos não são tão grandes nem tão potencialmente perigosos quanto muitos cães; logo, imaginar que eles queiram nos matar não é realmente assustador.

“Achamos quase divertida a ideia de que os gatos queiram nos matar, que eles nos odeiem ou que nós sejamos seus escravos”, falou Delgado. Além disso, ela observou, os humanos convivem com gatos há milênios.

“Se os gatos quisessem realmente nos matar, você não acha que isso já teria acontecido?”