ENTRETENIMENTO

B. B. King, Mahalia Jackson, Sam Hopkings... Uma retrospectiva em preto e branco dos primeiros dias do R&B (FOTOS)

07/11/2015 20:17 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Benny Joseph

Como artista, não é fácil fazer de seu principal sujeito um certo tipo de som.

O som da dor profunda misturado com a chama da esperança, por exemplo. Mas o fotógrafo Benny Joseph construiu uma carreira inteira assim .

Nos anos 1950, 1960 e 1970, ele registrou a história de um movimento nascente chamado rhythm and blues, retratando ícones do gênero como Sam “Lightning” Hopkins, Junior Parker, Mahalia Jackson, Della Reese e B.B. King.

Joseph nasceu no Estado da Louisiana, mas sua família se mudou para Houston, no Texas, quando ele tinha dois anos. Ele começou a se interessar por fotografia na adolescência. “Acho que a primeira inspiração veio quando estava no ensino médio” , disse ele em entrevista ao Institute of Texan Cultures.

“Tinha um amigo do bairro, ele fazia aula de química e revelava filmes no banheiro. Eu ia à casa dele, não enxergava o que ele estava fazendo no quarto escuro, mas, depois de ver o filme revelado, acho que com certeza foi isso.”

festa

Joseph estudou fotografia com A.C. Teal, fotógrafo comunitário que em 1942 estabeleceu uma escola para fotógrafos negros em Houston.

Joseph trabalhava como fotógrafo de estúdio e também para a NAACP (entidade americana que defende os direitos dos negros), para uma emissora de rádio e para a gravadora Peacock Record Company. Na época, antes da Motown, a gravadora era uma das mais importantes do mundo e tinha entre suas estrelas algumas das maiores lendas do R&B.

Rhythm and blues, ou R&B, surgiu como um termo genérico para designar música popular produzida por negros, normalmente combinando elementos de blues e jazz.

Jerry Wexler, da revista Billboard, cunhou o termo nos anos 1940, em substituição ao depreciativo “música racial”. Escreveu Wexler: “Cozinhei lentamente num gumbo de jazz de New Orleans, pequenos combos do Harlem, big bands, western swing, country, música racial de jukebox e sentimentalismo pop”.

rhythm and blues

O movimento R&B nunca esteve distante do movimento dos direitos civis, que também estava explodindo naquela época. Joseph estava no meio de tudo com sua câmera Speed Graphic, fazendo retratos de ativistas como Martin Luther King Jr., Thurgood Marshall e Barbara Jordan.

Uma exposição intitulada The Early Years of Rhythm and Blues: Photographs by Benny Joseph from the Documentary Arts Collection (os primeiros anos do rhythm and blues: fotografias de Benny Joseph da coleção de arte documental, em tradução livre), apresentada pelo International Center of Photography, exibe o extenso arquivo de imagens em preto-e-branco de Joseph: das almas que cantaram o blues, os espíritos que mudaram a história – entremeados por momentos ocasionais do dia-a-dia.

A exposição pode ser vista (com hora marcada) no ICP Mana de 18 de outubro de 2015 a 10 de janeiro de 2016. Veja algumas imagens abaixo.

  • Benny Joseph / Cortesia do International Center of Photography
    Club Matinee, Houston, 1957
  • Benny Joseph / Cortesia do International Center of Photography
    B.B. King no City Auditorium, Houston, 1962.
  • Benny Joseph / Cortesia do International Center of Photography
    Skipper Lee Frazier, DJ da rádio KCOH, e go-go girls, Houston, 1954
  • Benny Joseph / Cortesia do International Center of Photography
    Sam “Lighnting” Hopkins, Houston, 1972
  • Benny Joseph / Cortesia do International Center of Photography
    Della Reese, Houston
  • Benny Joseph / Cortesia do International Center of Photography
    Benny Joseph, Casal dançando no 26 Men Social Club, Eldorado Ballroom, Houston, 1962
  • Benny Joseph / Cortesia do International Center of Photography
    Benny Joseph, Thurgood Marshall, Houston
  • Benny Joseph / Cortesia do International Center of Photography
    Adolescentes dançando, Eldorado Ballroom, Houston, 1964
  • Benny Joseph / Cortesia do International Center of Photography
    O reverendo Cleophus Robinson, Peacock Recording Studios, Houston, em 1956


Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: