NOTÍCIAS

Susan Williams, viúva de Robin Williams, afirma que depressão não foi a causa da morte do ator

04/11/2015 10:26 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
ASSOCIATED PRESS
Robin Williams arrives for the European Premiere of Happy Feet Two at a central London cinema,, Sunday, Nov. 20, 2011. (AP Photo/Joel Ryan)

Em sua primeira entrevista desde a morte de Robin Williams em agosto de 2014, Susan Williams, viúva do ator, defendeu a tese de que seu marido cometeu suicídio por sofrer de demência com corpos de Lewy, e não por depressão.

O comediante deveria passar por um teste neurológico uma semana antes de cometer suicídio no ano passado e, provavelmente, só teria mais três anos de vida, disse Susan em entrevista para a revista People publicada nesta terça-feira (3).

“Se Robin tivesse sorte, teria tido mais três anos. E teriam sido anos difíceis. E há uma boa chance de que ele fosse internado”, afirmou ela, referindo-se ao prognóstico de um dos médicos do artista.

E continuou: "Não foi a depressão que matou Robin", disse. "Depressão foi um dos... vamos chamar de 50 sintomas, e era um dos pequenos".

Susan Williams descreveu como o ganhador de um Oscar e astro de filmes que marcaram gerações como Jumanji, Patch Adams, Hook e O Homem Bicentenário, estava “simplesmente se desintegrando” física e mentalmente nos últimos meses que antecederam sua morte e lutava contra DCL (Doença de Corpos de Lewvy).

O ator de 63 anos estava ciente de que perdia suas faculdades mentais aos poucos e, embora estivesse se controlando, “no último mês não conseguiu. Foi como se uma represa estourasse”, disse Susan.

Em sua última semana de vida, os médicos estavam planejando interná-lo em uma clínica para exame, contou Susan. "Mas ele jamais falou em tirar a vida", declarou.

A DCL é a segunda demência neurodegenerativa mais comum no mundo, atrás apenas do Alzheimer, e começou a se manifestar no ator alguns meses antes da sua morte. Ela causa a morte de células nervosas do cérebro e flutuações do estado mental, com alucinações e comprometimento das funções motoras da vítima.

Susan ainda falou sobre as impressões médicas sobre a saúde de Williams -- e como ele lutava contra o diagnóstico.

"A equipe médica estava fazendo tudo da maneira correta, mas a doença era mais rápida que nós. Eventualmente, teríamos chegado lá", disse.

"Eu passei o último ano tentando descobrir o que o matou. Tentando entender contra o que estávamos lutando. Um dos médicos disse: 'Robin estava consciente de que estava enlouquecendo e que não havia nada que ele pudesse fazer'", lamentou.

(Com informações da Reuters)

LEIA MAIS:

-A coisa mais triste sobre a depressão é sentir que ela nunca vai acabar

-5 fatos que você provavelmente não sabia sobre Robin Williams

-Morte de Robin Williams: polícia encontra ator morto em sua casa e suspeita de suicídio

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: