ENTRETENIMENTO

14 pinturas que revolucionaram a arte

03/11/2015 14:11 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Da estética dourada de Gustav Klimt às paisagens perversas de Hieronymus Bosch, a história da arte sempre teve pintores radicais.

Hoje, aceitamos naturalmente o trabalho desses artistas, mas à época do surgimento deles, grandes obras como Retrato de Adele Bloch-Bauer I e O Jardim das Delícias Terrenas foram acontecimentos que quebraram paradigmas de estilo e objetos de abordagem.

O livro The Paintings That Revolutionized Art ("as pinturas que revolucionaram a arte", em português) une obras de Hokusai, Cezanne, Munch, Vermeer e vários outros, para listar os trunfos desses artistas.

Em cem obras icônicas, o panteão de obras abrange diversos gêneros e movimentos.

Abaixo, o HuffPost compilou apenas 14 das cem pinturas, com breves trechos de texto do livro. Enquanto catálogo é -- como a maior parte das pesquisas mostra, a história da arte é dominada por homens -- mais uma compilação de caras brancos mortos, a viagem à memória da arte é, no entanto, digna de ser feita:

  • 'Retrato de Adele Bloch-Bauer I' (1907), de Gustav Klimt
    "Olhos egípcios e triângulos pontudos. Nesse tipo de 'pintura-mosaico' é impressionante o quão realista é o retrato junto com fundo dourado."
  • 'O Jardim das Delícias Terrenas' (1500-1505), de Hieronymus Bosch
    "A nudez deles é tão despudorada e descontraída que o efeito é mais infantil do que erótico. Estamos olhando para um tipo de ser humano desconhecido para nós."
  • 'Retrato de Madame X' (1884), de John Singer Sargent
    "Originalmente, Sargent pintou uma alça caída no ombro direito dela. Isso foi considerado sexualmente sugestivo e ofensivo [àquela época]."
  • 'Moça com o Brinco de Pérola' (1665), de Johannes Vermeer
    "O modo que Vermeer capturou as mudanças sutis de luz e foco parece antecipar a fotografia: alguns traços aparecem em foco, enquanto outros, fora de foco; os objetos são retratados com uma perspectiva que se assemelha à fotografia -- talvez seja por isso que até hoje essa pintura nos atinge."
  • 'O Casal Arnolfini' (1434), de Jan van Eyck
    "Dos tecidos à janela de madeira -- tudo é retratado com um degrau de realismo detalhado que faz os objetos parecerem quase intangíveis."
  • 'Judite decapitando a Holofernes' (1620), de Artemisia Gentileschi
    "A brutalidade desta cena, que tem sido chamada por alguns historiadores da arte de experiência de abuso, pode ser entendida como Gentileschi se afirmando num mundo dominado por homens."
  • 'A Criação de Adão' (1510), de Michelangelo
    "O que vemos aqui não é a criação física do primeiro humano, mas o momento metafísico, quando a faísca da vida é transferida para Adão... Michelangelo criou um novo tipo de composição dinâmica cujo foco é uma linguagem altamente expressiva de mãos alcançando uma a outra."
  • 'Chuva, Vapor e Velocidade' (1844), de Joseph Mallord William Turner
    "Os objetos nesta pintura não podem ser identificados ambiguamente. Em vez disso, eles são borrados e misturados, tornando-se vagamente reconhecíveis quando a pintura é vista de longe."
  • 'O Almoço sobre a Relva' (1863), de Édouard Manet
    "Através do estilo inconvencional de representação e objeto despudorado, O Almoço sobre a Relva se tornou um dos maiores escândalos da história da arte."
  • 'O Monte de Sainte-Victoire' (1887), de Paul Cézanne
    "[Cézanne] foi o primeiro artista a explorar objetos e formas geométricas simples e retratar a natureza 'por meio de cilindros, esferas e cones'."
  • 'O Grito' (1893), de Edvard Munch
    "As cores berrantes e linhas rodopiantes, que parecem dissolver as figuras, criam uma forte impressão de pintura e angústia intensas -- até a natureza parece ser afetada."
  • 'Beijo de Judas' (1305), de Giotto
    "O fundo simples de Giotto aumenta a intensidade das atividades humanas que tomam lugar nessas cenas -- atividades que o pintor captura com realismo sem precedentes."
  • 'Monalisa' (1503-1506), de Leonardo da Vinci
    "A habilidade de Leonardo de criar uma expressão ambígua, as formas sutis da modelo e a ilusão de atmosfera são qualidades que fazem a figura parecer mais viva."
  • 'Potsdamer Platz' (1914), de Ernst Ludwig Kirchner
    "As pinceladas intensas e irregulares e as cores fortes enfatizam o ritmo agitado e nervoso da metrópole, criando um efeito alienante."


Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: