NOTÍCIAS

Caixa-preta mostra que jato russo não foi atingido pelo lado de fora, diz investigador

02/11/2015 13:02 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
KHALED DESOUKI via Getty Images
Debris of the A321 Russian airliner lie on the ground a day after the plane crashed in Wadi al-Zolomat, a mountainous area in Egypt's Sinai Peninsula, on November 1, 2015. International investigators began probing why the Russian airliner carrying 224 people crashed in the Sinai Peninsula, killing everyone on board, as rescue workers widened their search for missing victims. AFP PHOTO / KHALED DESOUKI (Photo credit should read KHALED DESOUKI/AFP/Getty Images)

O avião russo que caiu no Egito não foi atingido por algo externo e o piloto não emitiu um pedido de socorro antes de o aparelho desaparecer do radar, disse nesta segunda-feira uma fonte na comissão que analisa os registros de voo.

A fonte não quis dar mais detalhes, mas baseou seus comentários na análise preliminar das caixas-pretas recuperadas do Airbus A321 que caiu na península do Sinai, no sábado, matando todas as 224 pessoas a bordo.

Na aviação civil uma fonte informou apenas que os investigadores egípcios, auxiliados por especialistas russos e franceses, ainda não haviam terminado de examinar as caixas-pretas.

Autoridades russas disseram que o avião, transportando turistas do balneário turístico de Sharm el-Sheikh, no Mar Vermelho, para São Petersburgo, provavelmente se partiu ao meio no ar, mas disseram ser muito cedo para apontar o que causou a tragédia.

Os primeiros corpos recuperados dos destroços chegaram a bordo de um avião do governo russo ao Aeroporto de Pulkovo, em São Petersburgo, onde pessoas deixaram muitas flores.

Um fotógrafo da Reuters viu um caminhão branco sair do aeroporto, escoltado por carros de polícia, em direção ao necrotério de São Petersburgo, onde os corpos serão identificados.

De acordo com agências de notícias russas, o avião trouxe 144 corpos e uma segunda aeronave do governo iria o deixar o Cairo na noite desta segunda-feira.

No domingo o presidente russo, Vladimir Putin, decretou um dia de luto nacional e nesta segunda-feira declarou que o acidente foi uma grande tragédia.

"Sem dúvida, tudo deve ser feito para que seja estabelecida uma imagem objetiva do que aconteceu, para que nós saibamos o que aconteceu”, disse Putin em comentários citados pela agência Itar-Tass.

Quando lhe perguntaram se a queda pode ter sido causada por atentado terrorista, o porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, disse que nenhuma teoria ainda poderia ser descartada.

Um grupo militante egípcio afiliado ao Estado Islâmico afirmou no sábado que derrubou o avião "em resposta a ataques aéreos russos que mataram centenas de muçulmanos em terras sírias". No entanto, o ministro dos Transportes da Rússia rejeitou a acusação, dizendo que "não podem ser consideradas precisas".

Para Alexander Smirnov, vice-diretor geral da companhia aérea Kogalymavia, que operava o avião sob o nome Metrojet, apenas uma "ação técnica ou física" poderia ter levado a aeronave a se partir em pleno ar.

"O avião estava em excelente condição", afirmou Smirnov em entrevista coletiva em Moscou. "Nós descartamos a possibilidade de uma falha técnica ou qualquer erro por parte da tripulação."

Seus comentários surgem em meio à crescente evidência de que o avião e sua tripulação haviam passado pelos exames médicos e de segurança requeridos. Além disso, uma inspeção russa do seu combustível constatara que cumpria os requisitos legais.

A Rússia, aliada do presidente sírio, Bashar al-Assad, iniciou em 30 de setembro ataques aéreos contra os grupos da oposição na Síria, incluindo o Estado Islâmico. A Península do Sinai, onde o avião caiu, é palco de uma insurgência de militantes ligados ao Estado Islâmico, que já mataram centenas de soldados e policiais egípcios, além de terem atacado alvos ocidentais nos últimos meses. No entanto, não há indícios de que os militantes da área tenham mísseis capazes de atingir um avião a 30.000 pés.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: