COMPORTAMENTO

6 sinais de que você foi criado por um narcisista

28/10/2015 16:19 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
IMAGINEGOLF VIA GETTY IMAGES

Quando você se der conta disso, muitas outras coisas vão começar a fazer sentido.

Para quem é de fora, seu pai é um ímã social gigante que atrai pessoas de todas as esferas da vida. Ou sua mãe é a mulher perfeita, sempre tentando agradar e fazendo várias coisas ao mesmo tempo com facilidade.

Mas, a portas fechadas, toda pretensão vem abaixo. Apenas você, que é filho ou filha, sabe o que é suportar a indiferença deles por vários dias diante de uma pequena falta, ou aguentar o peso das constantes exigências, inapropriadas para sua idade, em busca de perfeição e força. Você sabe o que é ser criado por um narcisista.

O Transtorno de Personalidade Narcisista é um dos dez distúrbios de personalidade descritos no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, um guia psiquiátrico de referência.

Os narcisistas tendem a ter um senso inflado de autoestima e baseiam sua identidade no elogio e aprovação de outras pessoas.

Seus relacionamentos íntimos são superficiais e focados, na maioria das vezes, em como os outros os veem, com pouca ou nenhuma empatia pela experiência da outra pessoa. Acreditam genuinamente que são melhores do que as outras pessoas, mas são propensos a sentir intensa vergonha diante de críticas recebidas ou erros que cometem.

Pesquisadores estimam que menos de 1% da população geral mostra características de uma personalidade “totalmente” narcisista, mas cerca de 2% a 16% das pessoas que buscam terapia possuem o distúrbio nos Estados Unidos.

Isso geralmente ocorre porque os entes queridos em suas vidas exigiram que buscassem ajuda, sob o risco de perder o relacionamento, a carreira ou outros privilégios da vida, explica a terapeuta Wendy Behary, fundadora do Centro de Terapia Cognitiva de Nova Jersey, nos EUA, e autora do livro Disarming the Narcissist: Surviving and Thriving with the Self-Absorbed (Desarmando os Narcisistas: Sobrevivendo e Avançando com os Egocêntricos, em tradução livre).

Mas filhos de narcisistas raramente estão em uma posição de exigir que seus pais busquem ajuda. Na verdade, muitos só percebem que seus pais eram narcisistas quando procuram ajuda profissional para suas dificuldades, disse Behary, especialista em tratar pessoas com transtorno de personalidade narcisista e seus “sobreviventes”.

Embora os narcisistas sejam de vários tipos e seus sintomas variem dentro de um espectro, Behary observa que há algumas maneiras de identificar adultos que foram criados por narcisistas. Nos tópicos abaixo, tanto Behary quanto o psicólogo Craig Malkin, autor do livro Rethinking Narcissism: The Bad — And Surprising Good — About Feeling Special (Repensando o Narcisismo: O Lado Ruim — e Surpreendentemente Bom— de Se Sentir Especial, em tradução livre), detalham os sinais de pais narcisistas, e o que adultos que foram criados por eles devem fazer para romper o ciclo de decisões destrutivas.

1. Você é um completo capacho.

capacho

Pais narcisistas vão passar por cima de toda a família para atender seus próprios desejos, sem dar muita atenção para as necessidades dos outros.

Por causa disso, alguns adultos que foram criados por narcisistas irão, na verdade, tentar se comportar de maneira totalmente oposta e fazer o impossível pelos outros para que, em nenhuma hipótese, sejam vistos da mesma maneira.

Por outro lado, podem ter crescido escutando que suas necessidades não importam. De qualquer forma, o resultado é o mesmo: deixam as pessoas passarem por cima deles, porque não estão em contato com suas necessidades e não sabem expressá-las.

“Não conseguem dizer: ‘Tenho importância’ e ‘Tenho necessidades’ porque isso soa narcisista”, explica Behary. “Alguém que evita ser um pai narcisista de todas as maneiras acaba sendo pisoteado.”

O psicólogo Malkin concorda: “Vi clientes cujos pais os fizeram se sentir doentes, loucos ou egoístas por terem expressado as necessidades mais básicas.

Um dos meus clientes se sentia tão desvalorizado e assustado quando adulto, que tinha pesadelos e se encolhia diante de qualquer autoridade, porque isso fazia com que se lembrasse de seu pai abusivo.”

O que você pode fazer: Aprenda o máximo que puder sobre narcisismo, para que possa identificar as mensagens equivocadas que ouviu ao longo de sua infância e adolescência e comece a trabalhar contra elas.

“Se conheço alguém que cresceu com um pai narcisista, ou se tenho pistas de que pode ser o caso, é realmente importante ter certeza de que eles entendam o narcisismo em todas suas variantes”, diz Behary.

“Descobrimos juntos o tipo de narcisismo que seus pais tinham, mas, muito mais importante, temos que buscar a parte deles que ficou perdida no caminho.”

2. Você desconfia de que pode ser um narcisista.

medo de ser um narcisista

Nem todo mundo exagera na tentativa de se comportar corretamente devido ao fato de ter presenciado atitudes narcisistas. Algumas crianças acreditam que a única forma de evitar o ridículo e o abuso é ser como o pai ou a mãe narcisista e, ao longo dos anos, essa tática de sobrevivência transforma-se na maneira pela qual elas de fato veem o mundo.

Adultos que adotaram esses mecanismos de defesa podem tentar diminuir os outros pelo medo — enraizado na infância — de que, se não se mostrarem fortes em primeiro lugar, podem ser esmagados, assim como quando eram crianças, diz Malkin.

“Crianças de temperamento extremamente forte, mais extrovertidas desde o nascimento, às vezes se tornam narcisistas em um jogo ‘se você não pode com eles, junte-se a eles’”, disse.

O que você pode fazer: Procure um profissional para ajudá-lo a se libertar de padrões abusivos de comportamento, especialmente se você já tem um parceiro e/ou filhos.

“Filhos de narcisistas que xingam e insultam não devem perder a esperança, mas precisam arregaçar as mangas e trabalhar o lado emocional para valer”, diz Malkin.

“Precisam estar confortáveis em ter — e expressar — sentimentos vulneráveis como tristeza, solidão, medo e eliminá-los ao lado daqueles que amam.”

3. Você se sente implacavelmente competitivo ou ressentido em relação a um irmão.

irmãos

Os narcisistas têm problemas em lidar com limites pessoais e enxergam outras pessoas como uma extensão de si mesmas. Em famílias com vários filhos, um pode ser escolhido para refletir as melhores qualidades do narcisista. Eles recebem mais atenção, elogio e apoio, mas também estão sob mais pressão para se comportar de maneira correta.

Já o outro filho pode ser o alvo da culpa e vergonha impostas pelos pais e tratado como um bode expiatório, um fardo que nunca faz nada direito comparado ao filho escolhido. Também podem ser apontados como a razão pela qual um pai narcisista é forçado a agir de uma maneira abusiva.

Ambas as projeções são dois lados diferentes de uma personalidade narcisista, mas o filho escolhido e o bode expiatório terão duas infâncias muito diferentes, e isso coloca um contra o outro, mesmo na idade adulta.

O que você pode fazer: Procure seu irmão para falar sobre o que aprendeu. Se você era o filho escolhido, pode ter ressentimentos em relação a seu irmão pelo fato de que ele sofria muito menos pressão.

Mas, se você era o bode expiatório, pode estar ressentido porque seu irmão recebeu todos os elogios e glória e não deixou nada para você. Entenda que o narcisista joga as pessoas umas contra as outras de propósito, para servir às próprias necessidades, e que essa dinâmica não foi culpa sua.

“Pessoas extremamente narcisistas amam colocar as pessoas em pedestais — quase na mesma medida em que gostam de tirá-las de lá”, diz Malkin.

“Pessoas perfeitas não decepcionam, então, se você idolatra as pessoas — mesmo seus filhos —, nunca precisa se preocupar em ser decepcionado ou ferido.

O bode expiatório funciona quase da mesma maneira. Você nunca precisa se preocupar em esperar muito e ser decepcionado, porque ninguém realmente espera alguma coisa de uma pessoa vista como inútil.”

Mas há como encontrar uma solução para irmãos que foram colocados nessa situação, diz Behary — mesmo se a única coisa que os une, no final das contas, é a experiência compartilhada de ter pais narcisistas.

“Eles podem acabar se sentindo extremamente vinculados um ao outro”, diz Behary.

“Ambos são reféns que passam por diferentes fases de tortura”, explica a especialista, dependendo do nível de influência exercida pelo narcisista em suas vidas.

4. Às vezes, você sentia que era mais parceiro do que filho.

mãe e filho

Nem todos narcisistas dominam as atenções com suas personalidades ousadas.

Alguns narcisistas exigem atenção dos outros desempenhando o papel de vítima ou descrevendo seus problemas como maiores do que os de qualquer outra pessoa.

Eles podem tentar controlar as ações dos outros com a ameaça de prejudicar a si mesmos, a menos que consigam um certo resultado.

As pessoas com esse tipo de pais narcisistas podem sentir que passaram a infância inteira correndo para apagar o fogo aqui e ali, ou tentando manter a paz de forma que ninguém se machucasse.

Alguns clientes de Behary contaram que se sentiam mais como maridos da mãe do que filhos, e esse fardo significava que estavam se encarregando do apoio emocional mais do que os próprios pais. Ou sentiam que tinham de fazer de tudo para evitar que o pai ficasse bravo com a família.

“É uma sensação de drama que a criança sente e que precisa lidar”, diz Behary. “Para fazer isso, eles realmente têm de abrir mão de muitas de suas próprias necessidades inatas da infância.”

O que você pode fazer: Leve o tempo que precisar para reconhecer a criança que ainda está dentro de você, e pergunte quais eram e quais são as necessidades dela.

Behary defende usar o poder da imaginação — com o auxílio, talvez, de fotos da infância — para reconhecer as necessidades emocionais que não foram e continuam sem ser preenchidas pelos pais.

"Ela ainda está sofrendo naquele lugar e precisa que alguém cuide dela”, analisa Behary. “Precisa sentir que está bem. Precisa saber que também tem direitos.”

5. Você constrói sua autoestima exclusivamente através de suas realizações.

autoestima

Algumas crianças narcisistas descobrem que a única maneira de se dar bem neste mundo é fazer o que os pais fazem e constroem sua autoestima através da produção, desempenho e realizações.

Embora talvez não sejam atormentados pela baixa autoestima e opressora sensação de vergonha de um verdadeiro narcisista, alguns adultos podem adotar comportamentos como trabalhar excessivamente, porque seu desempenho é a única maneira pela qual aprenderam a se definir como pessoas.

“O filho do narcisista aprende que a única coisa que importa é o que pode produzir no mundo, não apenas o próprio ser”, explica Behary.

“[Isso] é muito semelhante ao modo pelo qual o narcisista se coloca no mundo, exceto pelo fato de que filhos de narcisistas talvez não tenham a mesma postura arrogante — eles são mais desapegados, mais autossuficientes.”

O que você pode fazer: Tente buscar empatia com seus pais, sugere Behary. Você não precisa ter pena deles, mas pode ajudar conhecer os sentimentos e escolhas de outras pessoas para entender seus pensamentos e decisões, mesmo se você não concordar com elas.

Devido ao seu trabalho com narcisistas, Behary consegue perceber que eles muitas vezes estão sofrendo muito, porque as táticas de sobrevivência que aprenderam na infância estão tendo o efeito contrário na idade adulta.

Enquanto alguns pesquisadores acreditam que possa haver uma base biológica que torna algumas pessoas mais vulneráveis ao narcisismo do que outras, outros especialistas concordam que o transtorno de personalidade resulta de uma complexa combinação de fatores que incluem exageradas críticas e/ou elogios na infância, o que leva a criança a proteger sua autoestima com uma persona forte, perfeita.

Também torna a criança especialmente carente de elogios, admiração e bajulação para que se sinta normal, ao mesmo tempo que a deixa particularmente vulnerável à mínima crítica, observa a organização Mayo Clinic.

“Preocupo-me com os [narcisistas] com os quais trabalho porque sei que estão sofrendo por dentro”, diz Behary. “As pessoas dizem: ‘Você é muito mole com eles’ e digo que os considero responsáveis pelo mau comportamento, mas não os culpo pelo modo como foram criados”.

Behary enfatiza que, embora os narcisistas tenham se tornado assim por culpa de outras pessoas, a responsabilidade de fazer algo sobre isso — e não seus filhos — é somente deles.

6. Você não tem consciência sobre si mesmo, sobre seus desejos, necessidade ou metas

não tem consciência sobre si mesmo

Um traço revelador do narcisismo é a grandiosidade: pensamentos ou sentimentos de superioridade em relação aos outros, mesmo sem ter alcançado as realizações que justifiquem isso. Pais narcisistas podem se considerar elite, mas como nunca alcançaram um certo nível de sucesso, podem tentar se realizar através da vida dos filhos”.

Behary explica.

“Muitos filhos de narcisistas dirão: ‘Não tenho certeza como fui parar nesta carreira, porque realmente nunca soube o que queria’”, diz Behary. Ou:

“Sempre senti como se estivesse preparada para ser um reflexo de minha mãe, em vez de ser minha própria pessoa”.

O que você pode fazer: Tente ter pouco ou nenhum contato com pais abusivos ou manipuladores. Nem todos os pais narcisistas são abusivos, explica Malkin.

Mas pais com formas extremas de narcisismo podem fazer com que seus filhos se sintam como conchas em si mesmos e, às vezes, a coisa mais segura para um adulto é limitar sua exposição a relacionamentos tóxicos, especialmente se os pais pensam que não têm nada por que se desculpar.

Malkin diz que existem três sinais para que um adulto decida ter pouco contato ou cortar relações com os pais: Abuso, Negação e Psicopatia.

Ninguém deve tolerar abuso emocional ou físico, e se os pais não podem reconhecer o fato de que há um problema, há pouca chances de que alguma coisa irá mudar.

A psicopatia, que neste caso se manifestará como um padrão de mentiras fáceis e manipulação sem remorsos, indica que os pais, além dos problemas para se colocar no lugar dos outros, podem, na verdade, não ter capacidade de empatia e até mesmo não ter consciência dos fatos.

“[Pais] abusivos são 100% responsáveis por seus abusos, e apenas eles podem eliminá-los”, conclui Malkin. “Até que façam isso, as interações não serão seguras.”

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.