NOTÍCIAS

Rotativo do cartão de crédito em 414,3% puxa maior taxa de juros da série, diz BC

27/10/2015 15:29 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Alamy

A taxa de juros de 62,3% em setembro é a maior da nova série histórica do Banco Central da nota de crédito, de março de 2011, segundo o chefe do Departamento Econômico da instituição, Tulio Maciel.

Essa taxa, de acordo com ele, tem sido impulsionada pela alta para 414,3% do juro do rotativo do cartão de crédito, frente a 403,5% em agosto.

"O rotativo continua em ritmo de crescimento acentuado e é um financiamento que só deve ser usado em períodos curtos", afirmou Maciel.

Tulio Maciel, salientou que o crédito voltado para o consumo este ano mostra um arrefecimento ante períodos anteriores. "O ciclo econômico é uma explicação para isso", afirmou o técnico do BC.

Outro ponto, segundo ele, é a própria cautela das famílias, que estão mais reticentes em se endividar, como mostrou o BC no quadro de endividamento da nota de crédito.

Nesse trecho da nota, o endividamento das famílias sem levar em conta os financiamentos imobiliários recuou de 27,2% em junho para 27,1% em julho. "O terceiro fator, claro, é o encarecimento do crédito com a alta das taxas de juros, acompanhando o ciclo (de política monetária)", citou. A taxa básica de juros Selic está atualmente em 14,25% ao ano.

Crédito a famílias

De acordo com Maciel, a alta menor, em setembro, do crédito a famílias se deu em decorrência dos segmentos de automóveis, cartão de crédito e também porque o mês passado teve um dia útil a menos do que em igual mês de 2014.

"É pouco comum nesta época do ano o crédito das famílias apresentar queda da expansão", disse. O recuo foi de 4,6% para 4% de agosto para setembro.

Outra causa, de acordo com o técnico do BC, é a desaceleração do crédito de aquisição de veículos que vem sendo vista desde 2013. Além disso, houve redução também do segmento do cartão de crédito à vista no mês. "Isso é um indicativo de fragilidade do consumo, como temos observado nas pesquisas de comércio do IBGE", ressaltou.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: