NOTÍCIAS
24/10/2015 11:29 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Escândalo de fraude pode custar à Volkswagen mais de R$ 128 bilhões, diz revista

Bloomberg via Getty Images
The Volkswagen (VW) logo sits on a sign above the Volkswagen AG factory in Braunschweig, Germany, on Thursday, Oct. 22, 2015. The towns that became synonymous with Volkswagen AG's rise to the pinnacle of the auto industry are feeling the pinch of the diesel-emissions scandal, freezing spending on projects such as playgrounds amid the carmaker's abrupt fall from grace. Photographer: Krisztian Bocsi/Bloomberg via Getty Images

O escândalo de fraudes em testes de emissões de poluentes pode custar à Volkswagen mais de 30 bilhões de euros (US$ 33 bilhões), afirma a revista alemã Manager Magazine. A publicação diz que a estimativa consta de uma análise interna da própria companhia.

"Nós não comentamos sobre especulações", disse um porta-voz da Volkswagen, após a publicação da reportagem sobre o assunto. De acordo com a Manager Magazine, a Volks trabalha para adotar medidas para cortar gastos, entre elas um congelamento em promoções de funcionários para o próximo ano.

Outra medida da empresa é buscar reutilizar o máximo possível de partes de automóveis na próxima geração de seu modelo Golf, o que deve resultar numa economia de "centena de milhões de euros".

O escândalo começou quando autoridades dos Estados Unidos afirmaram que a Volkswagen instalou em seus carros a diesel um software que permitia fraudar testes de emissão de poluentes.

A empresa admitiu ser culpada e disse que até 11 milhões de carros pelo mundo têm o software irregular. Nesta semana, a Volks disse que não descarta que mais veículos possam estar envolvidos no escândalo.

A companhia é investigada nos EUA, na Europa e por países de outras regiões. Apenas nos EUA, as multas no caso poderiam chegara US$ 18 bilhões, mas não está claro se a agência responsável por avaliar o tema poderá impor uma penalidade tão alta. A Volks informou anteriormente que já reservou US$ 7,3 bilhões para lidar com essa situação.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: