NOTÍCIAS

PSol pede indiciamento de Cunha na CPI da Petrobras

21/10/2015 17:24 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Montagem/Estadão Conteúdo

O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) pediu o indiciamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em um relatório alternativo, na CPI da Petrobras, por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

O deputado solicitou também que a CPI encaminhe para Mesa Diretora, plenário e Conselho de Ética da Câmara o pedido de cassação do mandato do peemedebista.

“É estranho o relator dizendo que a CPI não é uma conselho de ética paralelo. A CPI é justamente para investigar. Ela não e uma associação de deputados para propor normas de funciamento da Petrobras”, disse o deputado.

Valente também criticou o corporativismo político.

“É clara a ação de corporativismo e de conchavo político na CPI entre partidos que não queriam investigar para que os seus não fossem investigados.”

O PSol sugere ainda a responsabilização por crimes conexos da ex-deputada Solange Almeida, do delator Fernando Soares (Baiano), além de Leonardo Meirelles, Jayme de Oliveira (Careca) e Lucio Funaro.

No relatório paralelo, a sigla reclama que apresentou mais de 35 requerimentos de convocação dos políticos investigados, mas nenhum foi apreciado pela comissão.

Valente pede o indiciamento daqueles que foram denunciados pela PGR por "ilícitos penais", como o deputado Arthur Lira (PP-AL) e os senadores Benedito de Lira (PP-AL) e Fernando Collor (PTB-AL).

Entre o que chama de "equívocos da comissão", o PSOL destaca a permissão para que deputados beneficiados por doações eleitorais das empreiteiras denunciadas na Operação Lava Jato se mantivessem na condição de investigadores dos empreiteiros.

Kroll

Outro ponto atacado pelo PSOL é o que chama de "desperdício de dinheiro público" com a contratação da empresa de espionagem internacional Kroll.

O PSOL lembra que a consultoria apresentou um relatório preliminar "apenas com um conjunto de suspeitas" que custou mais de R$ 1 milhão aos cofres da Câmara.

O documento proposto por Valente afirma que "não restam dúvidas de que a Kroll foi contratada com objetivo principal de derrubar as delações premiadas dos réus da Lava Jato, inclusive do Sr. Júlio Camargo, que sempre apontou denúncias contra o presidente Eduardo Cunha”.

"Assim, o contrato da Kroll serviu exclusivamente para investigação particular com dinheiro público. E pela seleção de pessoas investigadas, fica clara a intenção da CPI de obedecer aos interesses do presidente Eduardo Cunha.”

O PSOL quer que o contrato entre a Câmara e a Kroll seja enviado ao Ministério Público para a verificação da legalidade dos termos contratuais e que, em caso de irregularidade, seja feito o ressarcimento aos cofres públicos.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: