COMPORTAMENTO

Agência usa imagem de travestis em campanha contra 'peças não originais' para mecânicos e é criticada nas redes sociais

21/10/2015 18:06 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Um trabalho desenvolvido pela agência de publicidade Leo Burnett Tailor Made e indicado ao prêmio do Anuário do Clube de Criação foi considerado preconceituoso e transfóbico.

O projeto “The Shemale Calendar”, indicado na categoria “Design e Marketing Direto”, foi desenvolvido para a empresa de autopeças Meritor com o intuito de alertar mecânicos e donos de oficina sobre a compra de peças piratas para carros.

O calendário traz imagens de modelos travestis e transexuais e não revela a identidade delas até a última página, onde está escrita a frase: “Se não é original, mais cedo ou mais tarde você sente a diferença”.

A analogia feita pela campanha gerou muitas críticas à agência e ao prêmio.

leo burnet

E as críticas não foram poucas:






No texto publicado pelo Clube de Criação no álbum do anuário no Facebook, o anúncio, que foi feito em 2013 é descrito como “uma peça direcionada aos mecânicos, reforçando a importância de usar peças originais Meritor”.

Ainda segundo a descrição, a peça é inspirada em uma tradição “tendo em vista que os mecânicos têm o costume de pendurar nas paredes de suas oficinas calendários com mulheres em poses sensuais". E continua: "criamos um calendário especial, estrelado por mulheres lindas. Ao final do calendário, mostramos que aquelas mulheres, na verdade, eram homens travestidos, que são mesmo travestis na vida real”.

39º Anuário do Clube de Criação São PauloCategoria: Design & Marketing DiretoCampanha: The Shemale CalendarFoi...

Posted by 39º Anuário do Clube de Criação on Terça, 15 de setembro de 2015


Após as críticas, Ciça Bernardet, coordenadora de eventos do Clube de Criação, falou com o jornal Extra:

"Essa peça é referente a 2013 e foi julgada em 2014. Foi publicado só esse ano, porque o anuário leva de oito a dez meses para ser produzido [...]. Esse júri definiu que essa peça deveria fazer parte de memória da propaganda e, por isso, ela está no livro. A associação não faz nenhum julgamento de valor sobre as peças. Qualquer pessoa ou agência que inscreva a peça vai ser avaliada pelo júri".

Em entrevista ao BuzzFeed Brasil, o departamento de marketing da unidade brasileira da Meritor, empresa de peças automotivas, afirmou que não tem conhecimento da campanha e que nunca teve contato com a agência, responsável pela peça. Afirmaram ainda que estão checando internamente o que pode ter acontecido.

A Leo Burnett Tailor Made ainda não se pronunciou sobre o assunto.

ATUALIZAÇÃO:

Ainda na noite de ontem, quarta-feira (21), Marcelo Reis, copresidente da agência Leo Burnett Tailor Made, enviou um esclarecimento ao Clube de Criação.

“Esse calendário foi criado há mais de 2 anos, de forma equivocada, mas sem o intuito de ofender ninguém. Já na primeira semana de distribuição solicitamos para as oficinas que não fosse fixado nas paredes. A peça foi inscrita no festival do Clube de Criação por uma falha nossa. Somos uma empresa que sempre respeitou e apoiou a diversidade. Eu, Marcelo Reis, peço desculpas. Lamentamos o constrangimento causado. Já solicitamos ao Clube de Criação que o trabalho seja retirado do Festival, por não estar alinhado com nosso modo de pensar e agir."

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: