NOTÍCIAS

FHC e Aécio dizem a jornais argentinos que Dilma Rousseff já não governa o País

19/10/2015 08:25 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
André Dusek/Estadão Conteúdo

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, disseram em entrevistas a jornais argentinos no sábado (17) e no domingo (18), que a presidente da República, Dilma Rousseff, já não governa o País.

Aécio Neves disse em entrevista veiculada neste domingo pelo La Nacion que Dilma Rousseff apenas está cumprindo com os ritos constitucionais.

"Ela entregou todo o poder aos membros da base aliada, ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), que desprezou durante seu primeiro mandato, e transferiu a liderança política ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, seu mentor", afirmou Aécio.

O tucano disse também que Dilma teria terceirizado a gestão da economia a Joaquim Levy, uma pessoa que sempre defendeu uma tese que ela mesma rejeitava, em suas palavras. "Está muito enfraquecida, já não tem mais a confiança de ninguém", disse Neves.

Na entrevista, Neves cita um projeto de poder do PT. "O PT manipulou os indicadores fiscais e sociais, interferiu nas empresas públicas para financiar suas campanhas eleitorais. Todas essas ações atingiram o seu nível mais elevado no ano passado, para garantir a reeleição de Dilma", disse, conforme a publicação.

Já FHC disse ao Clarín que Dilma "pode seguir governando, mas já não governa". Ele afirmou ainda que não há nenhum golpe de Estado do Brasil.

"Acredito que seria melhor para a história e para ela dizer: "Eu renuncio, com a condição de que seja feita uma reforma política tal e qual. Em outras palavras, um gesto de grandeza", disse FHC ao diário argentino.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- 'Eu lamento que seja um brasileiro', diz Dilma sobre denúncias contra Cunha

- Aécio: 'Ação truculenta e desrespeitosa do governo Dilma tentar desqualificar o TCU'

- ASSISTA: O que Aécio achava do impeachment nos tempos do 'Fora FHC'

- Aécio responde a Dilma: 'Golpe é se utilizar de irresponsabilidade fiscal para obter votos'