LGBT

Cientistas dizem ter encontrado marcadores genéticos da homossexualidade

08/10/2015 19:53 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02
Francois G. Durand via Getty Images
DEAUVILLE, FRANCE - SEPTEMBER 10: Actor Sir Ian McKellen arrives at the 'Mr. Holmes' Premiere during the 41st Deauville American Film Festival on September 10, 2015 in Deauville, France. (Photo by Francois G. Durand/WireImage)

Pense em todas vezes que você teve de corrigir aquele seu tio que fala "opção sexual" . Pois é: nem todo mundo sabe que ser gay não é uma escolha.

Mas o que define a homossexualidade de alguém, então: fatores genéticos ou ambientais? A controversa ideia do "gene gay", que desde os anos 90 tem despertado o interesse de muitos geneticistas, parece estar ficando para trás.

Uma nova pesquisa parece reforçar a tese de que a resposta está no meio termo: pelo menos entre os homens, a genética tem, sim, um papel importante na homossexualidade. Mas fatores ambientais também.

A homossexualidade, defendem os autores do estudo -- que ainda não foi publicado -- depende de marcadores epigenéticos capazes de "ligar" ou "desligar" a expressão de genes ligados à homossexualidade.

Marcadores epigenéticos são pequenas alterações químicas que, apesar de não alterarem o nosso DNA, podem ativar ou desativar a expressão de um gene. O que determina esse "liga e desliga"? Fatores ambientais, como estresse, dieta, hábitos de saúde e uma infinidade de outras variáveis.

Os pesquisadores chegaram à conclusão observando padrões de marcadores genéticos em 37 pares de gêmeos idênticos com orientações sexuais discordantes -- um gay, o outro não. Eles também chamaram 10 pares de gêmeos héteros, como grupo de controle.

Depois de destrincharem os genomas de todo mundo, os pesquisadores encontraram cinco marcadores que se repetiam muito mais entre os irmãos gays que entre os héteros. A partir da descoberta, eles bolaram um algoritmo para tentar prever a sexualidade de um participante sortido. Acertaram em 83% das vezes entre os gays, e 50% das vezes entre os héteros -- precisão média de 67%.

Ceticismo

O estudo está engatinhando, é claro. Os pesquisadores não tem ideia de quais genes estão sendo "ligados" e "desligados" pelos marcadores epigenéticos.

Também não têm ideia de quais fatores ambientais determinam esses marcadores -- é provável que nunca cheguem a saber, dada a quantidade de variáveis.

Além disso, 37 pares de gêmeos é um grupo amostral muito pequeno, o que desperta muito ceticismo na comunidade científica a respeito dos resultados.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: