NOTÍCIAS

Ministro do TCU defende Nardes: 'Não houve irregularidades na atuação do relator das contas de Dilma'

07/10/2015 18:17 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02
Montagem/Estadão Conteúdo

O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Raimundo Carreiro, não acatou o pedido do governo para afastar o ministro Augusto Nardes da relatoria das contas da presidente de 2014. "Não houve irregularidades na atuação do relator de contas de Dilma."

Todos os demais ministros seguiram o voto de Carreiro e negaram o pedido do governo para que jornalistas fossem ouvidos.

Carreiro não considerou que o ministro antecipou o voto e feriu o regimento da corte de contas. Ele também rechaçou a hipótese de que a declaração de que o momento é “histórico” signifique a rejeição das contas.

“Não consigo vislumbrar onde estaria nesta frase tão curta a antecipação do voto. Por outro lado, indo até mais longe que o ministro, o presente processo já entrou para a história como o primeiro caso, em 80 anos, no qual essa corte abriu espaço para o contraditório. É história isso. É a primeira vez em 80 anos.”

Segundo ele, se o tribunal não considerasse a possibilidade de rejeitar as contas, teria aprovado-a com ou sem ressalvas.

“Não há absolutamente nada que revele voto nas declarações de Nardes. A cerca da situação econômica do País, não fez nenhuma fala que não fosse relativa fatos já conhecidos pelo governo. Não caracteriza minimamente uma falta funcional.”

Ele reforçou ainda que se deparou, pela primeira vez, com uma alegação de uma parte que revela insatisfação com um ministro que busca apenas fundamentar um direito constitucional.

Quanto a declaração do senador Lasier Martins, de que o ministro teria adiantado o voto para ele, Carreiro considerou que não há necessidade de acareação porque seria a palavra contra a do ministro. “E o ministro já disse que não adiantou o voto.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: