NOTÍCIAS

Ataque a hospital dos Médicos Sem Fronteiras mata 19 no Afeganistão

03/10/2015 11:47 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02
MSF

Um bombardeio contra um hospital da organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) em Kunduz, no Afeganistão, matou neste sábado pelo menos 19 pessoas. Ao todo, doze funcionários da organização e sete pacientes morreram.

Dezenas de pessoas ainda estão desaparecidas. Dezenove dos feridos também pertencem à equipe da MSF, informou a organização.

As vítimas em estado mais grave foram transferidas para um hospital regional em Puli Khumri, a cerca de duas horas de distância do local dos ataques.

A MSF classificou o bombardeio como "horrível" e condenou "nos termos mais enérgicos" o ataque ao hospital, que ficou parcialmente destruído.

A organização esclareceu que tinha dado as coordenadas específicas do centro para todas as partes do conflito, incluídos os talibãs e as tropas afegãs e americanas.

"O bombardeio continuou durante mais de 30 minutos depois de as autoridades militares americanas e afegãs fossem informadas em Cabul e Washington", afirma a organização humanitária.

É com profunda tristeza que Médicos Sem Fronteiras informa que seu centro de trauma em Kunduz, no Afeganistão, foi...

Posted by Médicos Sem Fronteiras on Saturday, 3 October 2015

O porta-voz das tropas americanas no Afeganistão, o coronel Brian Tribos, reconheceu que um bombardeio dos EUA em Kunduz pode "ter produzido dano colateral a uma instalação médica próxima", mas não entrou em detalhes e só acrescentou que o "incidente" está "sob investigação". Pouco depois, o governo afegão afirmou que o ataque partiu dos EUA.

Na segunda-feira, os talibãs tomaram Kunduz em um ataque que tirou as autoridades da cidade, estratégica para as comunicações do norte do país, na vitória mais importante dos insurgentes desde que foram tirados do poder em 2001.

As tropas afegãs declararam ter retomado a cidade na quinta-feira com um contra-ataque que contou com apoio aéreo dos Estados Unidos, mas desde então a batalha continua na cidade.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: