NOTÍCIAS

Nasa e ESA vão bombardear asteroide para 'treinar' para o Armageddon

02/10/2015 16:31 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Um grupo de cientistas da Nasa e da ESA (agência espacial europeia) anunciou que irá desviar a rota dos asteroides Didymos, de cerca de 750 metros de comprimento, e Didymoon, que tem 160 metros e é uma "minilua" do primeiro.

A missão, chamada Aida, consiste em lançar um projétil para atingir o Didymoon e analisar as consequências do impacto na rota do corpo celeste.

Esta é a primeira vez na história que tentamos mudar a trajetória de um satélite "na marra". Trata-se de um típico caso em que a vida imita a arte, já que a Aida é bem parecida com a missão do filme Armageddon, de 1998. Lembra?

armageddon

Para isso, serão utilizadas duas sondas.

A primeira delas, pertencente à Nasa, chama-se Dart (em português, "dardo"). Ela vai bater com o Didymoon a 22,5 mil quilômetros por hora em 2022, perfurar o asteroide e permanecer alojada em seu núcleo.

A segunda, construída pela ESA, chama-se AIM (em português, "mira"), e tem funções analíticas. Ela vai chegar lá em 2020 e será responsável por analisar a composição dos asteroides e, depois, registrar as alterações na rota dos asteroides causadas pelo Dart.

Contará com um módulo de aterrissagem para o Didymos e dois pequenos satélites para isso.

"Para proteger a Terra de impactos potencialmente perigosos, precisamos entender asteroides muito melhor -- do que são feitos, suas origens e estruturas e como eles respondem a colisões", declarou Patrick Michel, pesquisador da ESA, durante o European Planetary Science Congress.

Pode acontecer: mais de mil asteroides circulam pela nossa vizinhança -- todos potencialmente cataclísmicos. Mas o "armageddon" é um evento bem raro, na verdade.

Segundo a Nasa, um asteroide capaz de causar um desastre global -- como o que acabou com os dinossauros -- teria de ter pelo menos 400 metros de diâmetro -- e esse tipo de evento só acontece a cada 100 mil anos.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: