NOTÍCIAS
02/10/2015 11:36 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Dilma vai cortar salário dos ministros em 10% e 3.000 cargos em comissão

Reuters/Andrew Kelly

A presidente Dilma Rousseff anunciou a reforma ministerial e corte de gastos públicos na manhã desta sexta-feira (2).

Oito ministérios deixam de existir. Entre eles, a Secretaria-Geral da Presidência, a Secretaria da Micro e Pequena Empresa, a Secretaria de Assuntos Estratégicas.

Outros foram fundidos, caso do Ministério da Pesca, que foi integrado ao Ministério da Agricultura.

Além da extinção de ministérios e fusão de pastas, a petista anunciou duas medidas que seguramente vão poupar recursos do Estado.

Dilma afirmou que vai cortar em 10% o salário dela própria, do vice-presidente e dos ministros, além de 3.000 cargos em comissão.

A petista afirma que busca modernizar o Estado, como em países desenvolvidos, tornando a organização mais ágil e eficiente, baseada em "profissionalismo e meritocracia".

Dilma também anunciou que pretende reduzir em até 20% os gastos com custeio e contratação de serviços de terceiros para a União.

Será instalada uma central de automóveis por ministério, com intuito de reduzir a frota de veículos.

Também será imposto um limite de gastos com telefone, passagem e diárias, além de metas de eficiência para a utilização de água e energia nos ministérios.

Todos os contratos de aluguel serão revisados.

Dilma também diz que serão revistos contratos de prestação de serviço, nas áreas de vigilância e tecnologia da informação.

Os novos ministros do governo Dilma são:

Reforma Ministerial - Novos ministros