NOTÍCIAS
12/09/2015 13:27 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:38 -02

Ditadura: Como era uma sessão de tortura na Cadeira de Dragão?

Abacrombie Ink / Reprodução

1. A Cadeira do Dragão parecia com aqueles antigos assentos de barbeiro, pesados e largos, feitos de madeira. Mas uma cobertura com folha de zinco ligada a um regulador de voltagem a transformava numa "cadeira elétrica caseira". Era usada quando o cativo sobrevivera a outros castigos sem revelar nada

2. Suas roupas eram arrancadas e ele era colocado sobre o móvel, com as mãos amarrada se as pernas travadas para trás. Aí vinha a pressão psicológica. O torturador descrevia tranquilamente as consequências do aparelho (como convulsões e perda do controle intestinal), liberando alguns choques para reforçar a argumentação...

3. Se isso não surtisse efeito, era liberada uma descarga elétrica completa.O preso sentia todo o corpo tremer, especialmente as partes em contato com o zinco. A duração e a intensidade eram controladas para não matá-lo de vez, podendo ser aumentadas a cada dose, que eram alternadas com gritos e espancamentos

4. Para piorar, a vítima podia ganhar um balde de ferro na cabeça, que potencializava o choque no rosto. Ou ainda fios desencapados ligados diretamente aos dedos dos pés e das mãos. Ou banhos de água (que conduz eletricidade). Ou um punhado de sal na boca (que multiplicava a dor)

CURIOSIDADE: Uma forma mais simples de eletrocução era o contato com fios desencapados, cuja corrente era gerada em um aparelho a manivela


SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: