NOTÍCIAS
11/09/2015 11:06 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:38 -02

Vídeo exibe tratamento desumano recebido por refugiados na Hungria

Um vídeo gravado dentro do maior campo de refugiados na Hungria, na fronteira com a Sérvia, mostra as condições desumanas da distribuição de alimentos. O vídeo, filmado de maneira sigilosa por uma voluntária austríaca que trabalhou na quarta-feira (9) no campo de Roszke, mostra 150 pessoas dentro de um cercado em um grande salão. Eles tentam desesperadamente pegar os sanduíches lançados por policiais húngaros, que usam capacetes e máscaras.

Entre a multidão estão mulheres e crianças, que tentam segurar os sanduíches jogados no local, enquanto as pessoas que estão mais ao fundo tentam chamar a atenção das pessoas que distribuem comida. "Era como alimentar animais presos em um cercado", declarou Klaus Kufner, amigo de Michael Spritzendorfer, a voluntária que registrou as cenas, divulgadas no Youtube.

Os dois, ao lado de outros voluntários, seguiram para o acampamento para levar comida, roupa e medicamentos. "Era desumano e caótico, mas isto também mostra algo sobre estas pessoas, que não brigaram pela comida, embora estivessem com fome", disse Spritzendorfer.

Na terça-feira (8), a Agência da ONU para os refugiados criticou as duras condições no campo de Roszke, enquanto a Hungria tenta administrar o fluxo recorde de refugiados que atravessam suas fronteiras como parte da arriscada viagem para a Europa ocidental. O governo conservador húngaro concluiu em agosto uma cerca de arame ao longo da fronteira de 175 km com a Sérvia, mas isto não parece representar um obstáculo para a chegada dos imigrantes.

​Uma nova barreira, de quatro metros de altura, está sendo construída e deve ser concluída no fim de outubro ou início de novembro. Budapeste anunciou nesta sexta-feira (11) que mobilizará até 3.800 soldados para reforçar a barreira anti-imigrantes na fronteira com a Sérvia. De acordo com o novo ministro da Defesa, Istvan Simicsko, a prioridade é construir a barreira. Apesar das medidas para impedir a chegada de refugiados, 3.601 conseguiram entrar no país na quinta-feira, um novo recorde, segundo a polícia.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: