NOTÍCIAS
07/09/2015 10:49 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:34 -02

Alemanha anuncia acordo de 6 bilhões de euros para ajudar imigrantes

REUTERS/Fabrizio Bensch

O governo de coalizão da Alemanha concordou na segunda-feira em gastar 6 bilhões de euros (US$ 6,68 bilhões) adicionais para ajudar pessoas que buscam asilo e reforçar as regras para imigrantes que procuram refúgio na Alemanha. Há expectativa de que o fluxo de entrada de imigrantes atinja níveis recordes do Pós Segunda Guerra Mundial neste ano.

Os líderes dos partidos conservadores do governo da chanceler Angela Merkel e os social-democratas chegaram ao acordo durante uma reunião realizada em Berlim. O governo vai fornecer 3 bilhões de euros para medidas como habitação e repasses para o próximo ano. Os governos locais devem receber 3 bilhões de euros a mais para cobrir custos relacionados com a questão da imigração.

Os dirigentes também concordaram em reduzir repasses em dinheiro para os requerentes de asilo e declararam que os países dos Balcãs Ocidentais como "de origem seguros", uma medida legal que irá reduzir significativamente o número de pessoas do local elegíveis para o asilo.

Os partidos propuseram mudar a lei e declarar Kosovo, Albânia e Montenegro como países seguros, permitindo que os imigrantes de lá sejam deportado de volta de maneira muito mais rápida do que atualmente. A câmara alta do Parlamento alemão tem ainda de aprovar esta alteração jurídica, o que exigirá o acordo com a oposição.

A chanceler Angela Merkel disse que a Alemanha poderia ter orgulho da imagem que enviou para o mundo neste fim de semana ao acolher os imigrantes. Ela novamente pediu aos líderes europeus que trabalhem juntos para encontrar uma solução para a crise.

Numa entrevista coletiva com o vice-chanceler Sigmar Gabriel, ela disse: "Nenhum país na Europa pode dizer que não tem nada a ver com a crise."

As pessoas dos Balcãs Ocidentais, principalmente imigrantes econômicos, responderam por cerca de 46% dos pedidos totais de asilo da Alemanha na primeira metade do ano. Somente entre 0,1% a 0,2% dos pedidos vindos dos países dos Balcãs Ocidentais são aceitos na Alemanha, de acordo com o governo, mas a revisão aprofundada de tais pedidos leva tempo e tem ocupado a capacidade da Alemanha de rever candidaturas de imigrantes que possuem melhores perspectivas de receber asilo.

Uma parte fundamental do acordo de coalizão é também reduzir os incentivos financeiros para os imigrantes. Eles concordaram em cortar repasses de dinheiro para os imigrantes recém-chegados e substituí-los sempre que possível com outros tipos de ajuda. Pagamentos prévios serão limitados a um mês, em comparação com até seis meses no momento.

O ministro do Interior, Thomas de Maizière, disse que os repasses em dinheiro podem ser um incentivo para que as pessoas venham para a Alemanha, uma vez que os pagamentos aos requerentes de asilo são aproximadamente tão altos quanto o salário mensal de um policial no Kosovo ou na Albânia.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: