NOTÍCIAS
01/09/2015 09:52 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:32 -02

Teles não querem bloquear aplicativos, mas sim igualdade de tratamento, diz presidente da TIM

Montagem/Reprodução

O presidente da TIM, Rodrigo Abreu, disse nesta segunda-feira (31) que as teles não querem bloquear os serviços de aplicativos como o WhatsApp, mas sim uma igualdade de tratamento por parte dos órgãos de regulação do setor.

"A questão dos aplicativos não é uma questão apenas brasileira. Ocorre no mundo todo. É uma bobagem dizer que queremos bloquear esses serviços. Até porque não faz sentido barrar a inovação. Agora, é preciso haver equilíbrio regulatório para que todo o setor cresça", afirmou.

Sobre a revisão da desoneração do PIS/Cofins de smartphones, anunciada nesta segunda-feira pelo governo, Abreu disse não saber detalhes ainda sobre a medida, mas afirmou que haverá sim impacto para as empresas do setor. Esse impacto não seria tão expressivo porque, segundo ele, hoje em dia os aparelhos são mais vendidos pelas lojas de varejo do que pelas próprias operadoras.

Apesar da notícia ruim para o setor, Abreu diz confiar que a desoneração para a construção de redes de telecomunicações deve ser mantida. "Acreditamos que o benefício da desoneração para a economia é maior do que um eventual ganho de arrecadação que o governo possa ter. Essa foi a mesma discussão que tivemos quando se debateu sobre o aumento da cobrança do Fistel", disse.

Regulamentação do Marco Civil deve pôr fim à polêmica

Reportagem publicada pelo G1 nesta terça-feira (1) diz que a regulamentação de alguns pontos polêmicos do Marco Civil da Internet deve pôr fim à polêmica em torno do WhatsApp e outros serviços gratuitos disponíveis para celulares. De acordo com o secretário de assuntos legislativos do Ministério da Justiça, Gabriel Sampaio, as lacunas ainda em aberto no setor serão em breve preenchidas, garantindo os serviços sem ônus extra ao consumidor.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:


LEIA TAMBÉM

- Ancine pode apresentar ainda este ano o projeto para regulamentar serviços on demand como Netflix, HBO Go e Fox Play

- Ministro das Comunicações defende teles e pede regulamentação para Netflix, WhatsApp e YouTube

- WhatsApp não saiu do ar, mas decisão poderia ter sido cumprida por operadoras

- Em carta, ativistas e ONGs pedem privacidade, neutralidade e liberdade na internet