NOTÍCIAS

ASSISTA: ‘A presidente pensa que é presidente, mas ela não é mais', diz Aécio

18/08/2015 18:01 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Presidente do PSDB, o senador Aécio Neves (MG) corroborou, nesta terça-feira (18), a declaração do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso de que só resta a presidente Dilma Rousseff deixar o governo.

Na segunda-feira (17), FHC disse que “se a própria Presidente não for capaz do gesto de grandeza (renúncia ou a voz franca de que errou, e sabe apontar os caminhos da recuperação nacional), assistiremos à desarticulação crescente do governo e do Congresso, a golpes de Lava Jato".

Para Aécio, o que o ex-presidente disse "está na alma de milhões de brasileiros e representa uma alternativa, para esse governo que já deixou de ser governo”.

"Eu lembro, não muito distante, das palavras do grande Ulysses Guimarães, que comentava um momento parecido com esse, que passava o Fernando Collor. Disse o Ulysses Guimarães: o Collor pensa que é presidente, mas ele não é mais presidente. A presidente Dilma pensa que é presidente, mas ela não é mais presidente da República, pois teve que delegar a condução da economia e agora se quer tem iniciativa na agenda do país.”

O senador disse que viveu no domingo, quando protestos contra o governo invadiram as ruas de 25 estados e do Distrito Federal, um dos momentos mais emocionantes de sua vida. "É importante haver essa sintonia entre as ruas e a política representativa para que possamos dar andamento as demandas apresentadas pelos brasileiros, sem nenhuma exceção."


Aécio aproveitou para fazer uma mea culpa pela ausência do partido nas demais manifestações. De acordo com ele, a ideia era que a própria população fosse às ruas sem a adesão de partidos para mostrar que a ideia é do povo. “Hoje sabemos que esse movimento é do povo”, emendou.

Nos próximos dias, o partido vai promover uma série de reunião com juristas e partidos, inclusive integrantes do PMDB, que fazem oposição à Dilma.

O tucano frisou que a solução será dada dentro da Constituição, com prioridade a blindagem dos tribunais de Contas e Eleitoral para evitar que sofram influência na análise de processos que envolvem a mandatária. Há processos nos dois órgão que podem sustentar um pedido formal de impeachment.

Mais cedo, a presidente Dilma Rousseff disse que o ex-presidente tentou pegar carona e tirar proveito nos protestos de domingo. Há ainda a interpretação de que o ex-presidente estivesse reagindo as movimentações do senador José Serra (PSDB-MG_, que poderia migrar para o PMDB.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: