NOTÍCIAS

Dilma indicará Janot para PGR na 2ª-feira e clima no Senado é favorável à aprovação

07/08/2015 19:20 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02
Montagem/Estadão Conteúdo

A presidente Dilma Rousseff encaminhará na próxima segunda-feira (10) ao Senado a indicação de Rodrigo Janot para mais um mandato à frente da Procuradoria-Geral da República, disse nesta sexta-feira (7) à Reuters o senador Romero Jucá (PMDB-RR).

Segundo Jucá, que disse ter falado com Dilma nesta sexta sobre o assunto, o Senado deve aprovar a recondução de Janot para novo mandato de dois anos como procurador-geral da República.

"Falei hoje com a presidente Dilma e ela vai indicar na segunda-feira o nome de Janot e nós vamos aprovar", disse Jucá.

Além de Jucá, outros senadores, da base do governo e da oposição, afirmaram que o clima na Casa é favorável à aprovação da recondução de Janot à PGR.

"O clima no Senado, como instituição, é favorável à indicação de Janot", disse o presidente do DEM, senador José Agripino Maia (RN).

Um terceiro senador, da base do governo e falando sob condição de anonimato, também disse que o nome de Janot deve passar no Senado.

"A presidente sempre tem adotado essa postura (de indicar o primeiro da lista tríplice dos procuradores). O clima é favorável. Ele vai ser aprovado", disse esse terceiro senador.

Janot encabeça a lista tríplice entregue pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) à presidente Dilma na quinta-feira (6).

Atual titular da Procuradoria-Geral da República (PGR), Janot tem comandado as investigações de políticos envolvidos na Operação Lava Jato, que apura um esquema bilionário de corrupção envolvendo a Petrobras.

Os presidentes da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), estão entre os políticos que são alvos de inquéritos relacionados à Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

Para ser reconduzido ao cargo, Janot precisa ser sabatinado e aprovado na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), além de passar por uma votação no plenário do Senado.

O clima favorável a recondução no Senado está longe do que o procurador na Câmara. O presidente da Casa, Eduardo Cunha, tem enfrentado uma dura queda de braço com o procurador.

Ele argumenta que Janot age a mando do Planalto para constranger políticos. Nesta sexta-feira, a defesa de Cunha disse que o procurador sonega informações da investigação aos advogados.

O defensor de Cunha, Antonio Fernando de Souza, que é ex-procurador-geral da República, pediu ao Supremo Tribunal Federal que determine que Janot inclua todos os atos da investigação no inquérito do peemedebista.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: